Ema do Palácio Alvorada contesta Bolsonaro: é fake news a criação de empregos!

A ema do Palácio da Alvorada quer prolongar os 15 minutos de fama que ganhou depois de bicar o presidente Jair Bolsonaro no mês passado. Ela contestou o inquilino do Palácio dizendo que ele espalha fake news sobre a geração de empregos durante a pandemia do novo coronavírus.

“É fake news! É fake news! Houve mais desemprego do que empregos criados”, afirma dona ema.

Segundo a ave que habita a residência oficial da Presidência da República, Bolsonaro e Paulo Guedes são responsáveis pelo aumento do desemprego no país. Já são quase 80 milhões de desempregados no Brasil.

Os dados oficiais falam em apenas 13% de desempregados, no entanto, segundo organismos independentes, as pessoas que não encontram trabalho, os desalentados, subempregados, precarizados, uberizados, semiescravizados, enfim, 50% das pessoas economicamente ativas (PEA) que costeiam o alambrado da linha abaixo da pobreza.

Muitos trabalhadores passaram a depender do auxílio emergencial de R$ 600 para comer, beber e morar. Uma tremenda humilhação.

Dona ema ainda fez uma denúncia grave contra Bolsonaro e o sinistro Paulo Guedes. “Eles querem cortar ao meio o peru de Natal, ou seja, reduzir para R$ 300 o auxílio emergencial.

“Isso ainda vai terminar num tribunal internacional”, adverte a ema que bicou o presidente.

Acostumado com as fake news, Jair Bolsonaro torceu o nariz para ema e postou hoje à noite nas suas redes sociais:

– Em julho 2020 o CAGED apresentou um saldo positivo de 131.010 novos postos de trabalho.

– O grande destaque foi a indústria de transformação, em especial a fabricação de produtos alimentícios e a construção civil. – É o Brasil voltando à normalidade.

A velha mídia nem questionou o presidente. Coitada da ema, pobres brasileiros desempregados e cada vez mais miseráveis.

LEIA TAMBÉM

 

Risco de estouro na bolha imobiliária no mercado de escritórios

Há o risco de estourar uma bolha imobiliária ainda este ano de 2020, mas não na magnitude daquela explosão ocorrida em 2008. Segundo o jornal britânico Financial Times, a crise atual foi potencializada com o fechamento de escritórios de corporações e com as pessoas trabalhando em casa em virtude da pandemia da Covid-19.

O FT lembra que diversas empresas pediram a falência nesse período, citando Brooks Brothers, Neiman Marcus e Debenhams, dentre outras gigantes ao redor do mundo, o que contribui para o aumento da oferta de imóveis comerciais.

Além do home office, o trabalho em casa ou móvel, o jornal britânico afirma que o aluguel atrasado está na casa dos bilhões de dólares. Tal situação seria agravada pelo aumento das vendas online, o “Efeito Amazon”, segundo a publicação.

Embora o Financial Times trate das realidades no Reino Unido e nos Estados Unidos, não é muito diferente da do Brasil.

Em várias capitais brasileiras se vê prédios inteiros às moscas e funcionários de escritórios de advocacia, clínicas médicas e de estética, de contabilidade e sedes de startups etc. sendo fechadas. Tudo em nome do trabalho remoto, da proteção contra o vírus e da comodidade da compra e venda eletrônicas.

No país do futebol ainda tem um agravante com requintes de crueldade: o governo estimula a redução de salário, a demissão e a precarização da mão de obra. Coisa para julgamento futuro em um tribunal internacional…

A tese inicial é de que os colapsos das propriedades levam ao colapso o sistema bancário porque esses subestimaram o potencial da crise na queda do preço dos imóveis.

Evidentemente que a forma de financiamentos tanto no Reino Unido quanto nos EUA são diferentes dos praticados no Brasil. Lá se pratica mais a modalidade hipotecária, mas no mercado globalizado um espirro pode se converter rapidamente num “coronavírus” financeiro.

“As agências de classificação de crédito esperam que as taxas gerais de inadimplência se aproximem dos mesmos níveis que foram alcançados na crise financeira de 2008 no final do ano”, destaca o jornal.

O FT deixa a dica já nas primeiras linhas do primeiro parágrafo quando diz que a britânica Marks and Spencer, que anunciou 7 mil cortes de empregos no início desta semana, tem estado ocupada fechando lojas, assim como inúmeros outros varejistas.”

A Marks and Spencer é uma espécie de “Lojas Americanas” do Reino Unido, que atua no ramo varejista em 30 países.

Ou seja, a crise em um setor desencadeia crise em outro setor provocando o “efeito dominó” para a economia e para os empregos, que viraram artigo de luxo no Brasil (são cerca de 80 milhões de desempregados no país, 50% da população economicamente ativa).

Fica a dica. Vem aí o estouro da bolha imobiliária no mercado de escritórios.