Eleições 2020: Orlando Silva, candidato do PCdoB em SP, dispara contra o PT e o PSOL

O deputado federal Orlando Silva (PCdoB), pré-candidato a prefeito de São Paulo, em entrevista para a Folha de são Paulo publicada nesta quarta-feira (12), adotou um tom agressivo em relação aos seus concorrentes na esquerda: O PT e o PSOL.

Segundo o parlamentar comunista, “o PT é parte do passado. E o PSOL é uma espécie de PT retrô, dos anos 1980″. Orlando ainda cutucou o ex-presidente Lula: “O Lula foi um extraordinário presidente, mas nós temos que olhar para a frente”, sentenciou.

Neste ano, é a primeira vez que o PCdoB lança uma candidatura própria para disputar as eleições majoritárias na capital paulista. O partido, nos últimos anos, sempre formou alianças com o Partido dos Trabalhadores (PT), o que garantiu, por exemplo, a indicação de Nádia Campeão (PCdoB) para a vice de Fernando Haddad (PT) nas eleições municipais de 2012. A dobradinha foi vitoriosa nas urnas.

Na entrevista, Orlando Silva apresentou como prioridade de campanha a luta contra o desemprego. “Vou apresentar um programa emergencial para a geração de vagas nos próximos dois anos. A cidade terá que renegociar os grandes contratos para garantir um espaço fiscal e dar fôlego aos pequenos comerciantes e às pequenas empresas”, disse.

O pré-candidato do PCdoB também defendeu a suspensão por determinado tempo da cobrança de tributos de pequenos e médios empresários. Além de defender uma moratória no pagamentos dos grandes contratos: “A cidade pode suspender a cobrança de determinados tributos durante um período. E aí vem a pergunta: mas como vamos pagar a conta? Você negocia uma moratória nos grandes contratos e abre um espaço fiscal para dar suporte aos micro e pequenos empresários. Um momento excepcional pede medidas excepcionais”, assinalou.

Orlando declarou ainda que a grande referência de governo comunista é a do governador Flávio Dino no Maranhão. “A minha perspectiva sempre foi a de construir uma sociedade justa, com igualdade de oportunidades e comunhão. Um governo comunista é como o do Maranhão, que o Flávio Dino faz. Quero governar São Paulo inspirado em Flávio Dino”.

Perguntado na entrevista sobre a possibilidade de retirada da candidatura, Orlando declarou que é “nenhuma”.

LEIA TAMBÉM:

Haddad comenta ‘debandada’ na Economia: “Sem ministro da Saúde, sem equipe econômica, sem rumo”

Globo pressiona Guedes: ou privatiza ou caiu fora do governo

Juíza do Paraná condena homem por ser negro

Trajetória

– Ex-ministro do Esporte e eleito em 2014 deputado federal. Na Câmara dos Deputados, foi vice-líder da Presidente Dilma Rousseff entre os anos de 2015 e 2016. É autor das leis que definem Luís Gama como Patrono da Abolição da Escravatura, e a que inscreve Luís Gama no panteão dos heróis nacionais.

– Começou sua trajetória no movimento estudantil em Salvador e foi o único presidente negro da União Nacional dos Estudantes (UNE).

– Integra a direção nacional do Partido Comunista do Brasil (PCdoB). Foi também vereador na capital paulista.

– Defensor da tese da “Frente Ampla”, Orlando Silva é um aliado fiel do presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM). Em abril, foi nomeado por Maia para um cargo na mesa diretora da Casa, a recém-criada Secretaria de Participação, Interação e Mídias Digitais da Câmara.

*Com informações da Folha