Deputadas do PSOL querem área de proteção a hospitais e clínicas que realizam aborto legal

As deputadas federais do PSOL Sâmia Bomfim (SP), Luiza Erundina (SP), Áurea Carolina (MG) e Fernanda Melchionna (RS) apresentaram um projeto de lei para criar uma área de proteção, com raio de 200 metros, no entorno de hospitais e clínicas que realizam o aborto legalmente, ou seja, quando envolve risco de morte da mulher, estupro ou feto anencéfalo.

Segundo o texto, fica proibida dentro dessa área qualquer atividade que possa ofender, constranger, influenciar ou gerar sentimento de culpa nas mulheres que buscam por procedimentos de interrupção da gravidez.

LEIA TAMBÉM
MPF pede a soltura do doleiro Dario Messer

O Brasil quer saber “Por que Michelle Bolsonaro recebeu R$ 89 mil de Queiroz?”

Bolsonaro chama jornalistas de bundões, menos o Alexandre Garcia

As deputadas afirmam que a medida pretende garantir proteção física e psicológica a mulheres que se enquadrem em um dos casos legalmente autorizados e que decidam pelo aborto legal.

“O objetivo é proibir, dentro dessa zona especial de proteção, ações e abordagens que tenham por objetivo ofender, constranger ou dissuadir mulheres que buscam atendimento em instituições de saúde”, diz a justificativa do projeto. O texto também proíbe, dentro da área de proteção, abordagens que gerem constrangimento ou ofendam profissionais de saúde que atuam nos estabelecimentos.

Quem descumprir a medida será obrigado a prestar serviços comunitários e a pagar multa, que será revertida em benefício de programas sociais de defesa de mulheres vítimas de violência.

As deputadas afirmam que a iniciativa seria dispensável se não existissem ações coordenadas de pessoas com o objetivo de constranger mulheres em situação de extrema vulnerabilidade social e psicológica.

Como exemplo, elas citam a ação de grupos fundamentalistas que, recentemente, tentaram impedir uma menina de 10 anos estuprada pelo tio de ter a gravidez interrompida em um hospital público de Recife, em Pernambuco.

Segundo o projeto, instituições que prestem atendimento especializado ou sirvam de abrigo a mulheres vítimas de violência deverão dispor da mesma área de proteção.

A informação é do PSOL