Covid-19: São Paulo pode pedir liberação emergencial para vacina chinesa

A vacina chinesa CoronaVac, desenvolvida pela farmacêutica Sinovac Life Science em parceria com o Instituto Butantan, em São Paulo, pode ser submetida à liberação emergencial em outubro deste ano. A informação foi divulgada em uma coletiva de imprensa pelo secretário estadual da Saúde de São Paulo, Jean Gorinchteyn.

“Se nós consagrarmos e confirmarmos que essa vacina é segura, ou seja, mantém a característica de não levar a efeitos colaterais e produzir anticorpos por um período prolongado, altos e mantidos nos próximos três meses, aí sim, nós teremos a possibilidade, de forma emergencial para a Anvisa que haja então a possibilidade de nós usarmos na população”, disse o secretário.

No momento, a vacina está na terceira e última etapa de testes no Brasil. Ao todo, 9 mil voluntários estão recebendo as doses e serão acompanhados por um ano. Porém, em três meses de aplicação – que foi iniciada em julho, já dá para avaliar sua eficácia.

Na fase 2 dos testes, os resultados foram positivos. Os voluntários chineses relataram apenas dor no local de aplicação e febre baixa.

LEIA TAMBÉM:

“Zema covarde” vai ao topo do Twitter após ação policial contra o MST

Lei Aldir Blanc: Artistas e profissionais ainda esperam liberação dos recursos

Bolsonaro promove aglomero em Belém (PA); assista ao vídeo

China detectou o Coronavírus na carne de frango importada do Brasil

Autoridades chinesas anunciaram nesta quinta-feira (13) que detectaram o coronavírus na carne de frango importado do Brasil.

As amostras foram coletadas em asas de frango congeladas, informou em um comunicado a prefeitura de Shenzhen (sul), perto de Hong Kong. O vírus também foi detectado em camarões do Equador.

A China submeteu imediatamente a exames de diagnóstico as pessoas que tiveram contato com os produtos contaminados, assim como seus parentes. Todos os testes apresentaram resultado negativo, segundo o comunicado.

A contaminação do frango pode provocar uma nova queda das exportações brasileiras para a China. Em fevereiro de 2019, Pequim passou a aplicar por cinco anos tarifas antidumping ao frango brasileiro.

O Brasil é o maior produtor mundial de carne de frango, e era até 2017 o principal fornecedor de frango congelado para a China.

Nos últimos anos o país perdeu parte do mercado para Tailândia, Argentina e Chile, de acordo com a consultoria especializada Zhiyan.

A China – onde o coronavírus foi detectado pela primeira vez, no fim de 2019 – controlou em grande medida a epidemia, segundo os dados oficiais. Nesta quinta-feira, o país anunciou um balanço diário de 19 contágios. A última morte provocada pelo vírus aconteceu em maio.

O Brasil é o segundo país do mundo mais afetado pela Covid-19, atrás dos Estados Unidos, com mais de 104 mil mortes e 3,16 milhões de casos.

*Com informações do Portal Vermelho