Covid-19: Brasil registra 984 mortes e 44 mil casos em 24 horas

O Ministério da Saúde divulgou, na tarde desta quinta-feira (27), os números do novo coronavírus no Brasil. Nas últimas 24 horas foram registrados 984 mortes e 44.235 novos casos. No total, o país tem 118.649 óbitos e 3.761.391 casos registrados, com taxa de letalidade de 3,2% e mortalidade em 56,5.

Segundo a pasta, 2.947.250 pessoas já se recuperaram da doença, enquanto outras 695.492 seguem em acompanhamento. O Estado de São Paulo registrou hoje mais 221 mortes e 8.318 novos casos, totalizando 29.415 mortes e 784.453 casos.

Segundo Soumya Swaminathan, cientista chefe da Organização Mundial da Saúde (OMS), a taxa de pessoas contaminadas necessária para atingir a imunidade de rebanho para a Covid-19 deve ser entre 65% e 70%, o que deve levar muito tempo já que somente entre 5% a 10% da população mundial foi exposto ao vírus até agora.“Nenhuma doença foi controlada somente por permitir a imunidade natural ocorrer”, declarou a especialista.

LEIA TAMBÉM:

Covid-19: Fiocruz assinará contrato para produzir vacina da AstraZeneca

Bolsonaro diz que Justiça ficou mais produtivo com saída de Moro

PGR arquiva delação de Dario Messer sobre propina a Januário Paludo

Auxílio emergencial: Governo divulga novo calendário; veja as datas de pagamento

O governo federal divulgou, nesta quarta-feira (26), no Diário Oficial da União (DOU) um novo calendário de pagamentos do Auxílio Emergencial. Mais de 50 milhões de brasileiros recebem o auxílio aprovado pelo Congresso Nacional.

O novo calendário contempla trabalhadores: que tenham se cadastrado nas agências dos Correios entre os dias 8 de junho e 2 de julho; que tenham feito a contestação dos pedidos entre os dias 3 de julho e 16 de agosto, e tenham sido considerados elegíveis; e que tenham recebido a primeira parcela em meses anteriores, mas foram reavaliados no mês de agosto.

Calendários de pagamento:

Para o público inscrito nas agências dos Correios entre 8 de junho e 2 de julho, os pagamentos serão feitos em poupança social digital:

1ª parcela: de 28 de agosto a 30 de setembro, com saques liberados de 19 de setembro a 27 de outubro;

2ª e 3ª parcelas: de 9 de outubro a 13 de novembro, com saques liberados de 29 de outubro a 19 de novembro;

4ª e 5ª parcelas: de 16 de novembro a 30 de novembro, com saques liberados de 26 de novembro a 15 de dezembro.

Para trabalhadores que tenham feito a contestação entre os dias 3 de julho e 16 de agosto:

1ª parcela: de 28 de agosto a 30 de setembro, com saques liberados de 19 de setembro a 27 de outubro;

2ª e 3ª parcelas: de 9 de outubro a 13 de novembro, com saques liberados de 29 de outubro a 19 de novembro;

4ª e 5ª parcelas: de 16 de novembro a 30 de novembro, com saques liberados de 26 de novembro a 15 de dezembro;

Para os trabalhadores que tenham recebido a primeira parcela em meses anteriores e o pagamento suspenso em agosto:

Próxima parcela: de 28 de agosto a 30 de setembro, com saques liberados de 19 de setembro a 27 de outubro.

Prorrogação até dezembro

O presidente Jair Bolsonaro afirmou na noite terça-feira (25) que deve definir até a próxima sexta (28) o novo valor do auxílio emergencial, menor que os atuais R$ 600, que pretende prorrogar até o fim do ano.

“Nós pretendemos prorrogar – pretendemos, né?– até o final do ano, não com este valor que está aí, que pode até ser pouco para quem recebe, mas é muito para quem paga. Quem paga somos todos nós. E não é dinheiro que o governo tem. Isso vem de endividamento. Então, nós estamos negociando”, declarou Bolsonaro.