Bruna Surfistinha é atacada após perguntar sobre depósitos para Michelle Bolsonaro

“Bruna Surfistinha” – codinome da empresária e escritora Raquel Pacheco –, virou alvo de bolsonaristas nas redes sociais após questionar sobre os depósitos de R$ 89 mil de Fabrício Queiroz na conta da primeira-dama Michelle Bolsonaro.

A ex-garota de programa de luxo repercutiu no Twitter a agressão de Bolsonaro ao repórter do jornal O Globo: “Presidente Jair Bolsonaro, por que sua esposa Michelle recebeu R$ 89 mil de Fabrício Queiroz?”, escreveu Surfistinha.

O questionamento, que viralizou nas redes sociais com mais de 1 milhão de posts, foi uma resposta dos internautas ao gesto agressivo do presidente que afirmou no último domingo (23) que queria “encher a boca de porrada” do repórter do jornal O Globo.

Bruna navegou na onda e virou alvo novamente dos bolsonaristas. “Quenga, prostituta, puta, vadia… esses foram alguns dos elogios que recebi após meu post cobrando resposta do presidente. Não, senhor machista, você não vai me ferir com estas palavras. Sou tudo isso com orgulho. Continua que tá pouco”, escreveu a Surfistinha.

Em 2019, Bruna polemizou com o presidente Bolsonaro quando ele citou o filme inspirado em sua vida, protagonizado pela atriz Deborah Secco, que “Filmes como esse” não poderiam receber recursos provenientes de leis de incentivo.

LEIA TAMBÉM:

Caiu na rede a nota de R$ 89 mil em homenagem ao Clã Bolsonaro

‘Bundão é o Jair. Bundão é o senhor’, rebate Datena; assista o vídeo

Bolsonaro dispara contra a Globo e quer saber dos repasses de Messer à família Marinho

Bolsonaro volta a ser Bolsonaro: ‘Minha vontade é encher tua boca na porrada’

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) não se aguentou e neste domingo (23) voltou a ser o velho Bolsonaro, agressivo, sem papas na língua.

O presidente disse hoje que estava com vontade de “encher” a boca de um jornalista “na porrada”.

A reação de Bolsonaro ocorreu após ser questionado por um repórter do jornal “O Globo” sobre cheques do ex-assessor Fabrício Queiroz para a primeira-dama Michelle Bolsonaro.

O presidente não respondeu a perguntas sobre R$ 89 mil em cheques para primeira-dama, nem sobre movimentações da empresa do filho, senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ).

“Eu vou encher a boca desse cara na porrada”, disse Jair Bolsonaro ao ser questionado sobre os cheques.

O presidente foi abordado pelos jornalistas na Catedral, em Brasília.

Num primeiro momento, reflexivo, Bolsonaro disse que não responderia às perguntas. Mas depois de questionado sobre os cheques para Michelle, o presidente levantou a voz: “Eu vou encher a boca desse cara na porrada.”

“Minha vontade é encher tua boca na porrada, tá?”, continuou o presidente da República.

Após o bate-boca, em frente à Catedral, Bolsonaro se dirigiu aos vendedores ambulantes e tirou selfies. Na sequ~encia, retornou para o Palácio da Alvorada –a residência oficial do Presidente da República.

Os cheques do ex-assessor de Flávio Bolsonaro, Fabrício Queiroz, destinados a Michelle Bolsonaro foram revelados pela revista “Crusoé”. Segundo a reportagem, Queiroz repassou R$ 72 mil à atual primeira-dama entre 2011 e 2016. A esposa de Queiroz, Márcia Aguiar, repassou outros R$ 17 mil em 2011.

‘Cala a boca’

Em 5 de maio, o presidente concedeu uma entrevista coletiva na portaria do Palácio da Alvorada e, ao ser questionado sobre agressões cometidas por apoiadores do governo em um ato de enfermeiros, respondeu, aos gritos: “Cala a boca, não perguntei nada!”.

Estratégia da ‘boca fechada’ falhou

Marqueteiros e luas-pretas do Palácio do Planalto vinham comemorando o silêncio do presidente Jair Bolsonaro. Segundo eles, a estratégia da ‘boca fechada’ estava ajudando a aumentar a popularidade do presidente.

Segundo o presidente da Paraná Pesquisas, Murilo Hidalgo, Bolsonaro subiu nas sondagens de opinião porque: 1- ficou quieto e limitou as entrevistas no cercadinho do Palácio da Alvorada; 2- concedeu o auxílio emergencial de R$ 600; e apoio da mídia e do Centrão.

Sim, a mídia corporativa apoia Bolsonaro. Os jornalões –leia-se Globo, Folha, Estadão, Veja, et caterva– concordam com o presidente da República na economia. Ou seja, eles estão alinhados no quesito ‘ferrar o povo brasileiro’ para privilegiar os ganhos dos bancos.