Vingança do pipoqueiro: Bolsonaristas comemoram prisões de membros do MBL

Depois de sofrerem duros golpes com prisões de apoiadores e desmantelamento de parte da estrutura do ‘gabinete do ódio’, os bolsonaristas estão rindo à toa com a prisão de dois integrantes do Movimento Brasil Livre.

Alessander Mônaco Ferreira e Carlos Augusto de Moraes Afonso (conhecido como Luciano Ayan) foram presos numa operação conjunta do Polícia Civil, Receita Federal e Ministério Público Estadual. Eles são suspeitos de lavagem de dinheiro e de desvio de mais de R$ 400 milhões.

Além das prisão, estão sendo cumpridos seis mandados de busca e apreensão na cidade de São Paulo e em Bragança Paulista.

Após as prisões, a hashtag #DerreteMBL subiu e é uma das mais comentadas no Twitter nesta sexta-feira.

A deputada bolsonarista Bia Kicis (PSL), um dos alvos do STF no inquérito dos atos antidemocráticos, compartilhou um vídeo que ironiza a afirmação de “Luciano Ayan não era do MBL, era só amigo”.

A Família Direita Brasil tuitou: “ACUSE SEUS INIMIGOS DO QUE VOCÊ FAZ E TENTE REBAIXÁ-LOS AO SEU NÍVEL, É ISSO?#DerreteMBL MBL e Ayan orientavam ataques na internet, diz ex-colaborador – RENOVA Mídia”

O Delegado Éder Mauro, deputada da bancada da bala (que não é de hortelã), escreveu:

“Esses maconheiros do MBL são todos uns vagabundos!!!! #DerreteMBL”

Mas não são só os bolsonaristas que comemoram, Monica Seixas, co-deputada Estadual em São Paulo pelo PSOL, escreveu:

“Luciano Ayan, líder do MBL que foi preso hoje por lavagem de dinheiro e ocultação de patrimônio, é o mesmo que criou as Fake News contra a Marielle logo que ela foi assassinada. Bora fazer Justiça! #DerreteMBL #QuemMandouMatarMarielle #JusticaPorMarielleEAnderson”

Enfim, a farsa dos movimentos de direita que são espontâneos e não tem financiamento escondido cai por terra.

Membros do MBL são presos em SP por desvio e lavagem de dinheiro

Dois membros do Movimento Brasil Livre (MBL) foram presos em São Paulo, na manhã desta sexta-feira (10), em uma operação do Ministério Público de São Paulo (MP-SP), Receita Estadual e Polícia Civil. Eles são acusados ​​de desviar mais de R $ 400 milhões de empresas.

De acordo com o MP, as  investigações apontam que os presos Alessandro Mônaco Ferreira e Carlos Augusto de Moraes Afonso lavaram dinheiro e ocultaram patrimônio.

Ao todo, a força-tarefa composta pelos três órgãos cumpriu seis mandados de buscas apreensão e dois de prisão na cidade de São Paulo e em Bragança Paulista, no interior do estado. Um dos mandados de busca ocorre na sede da MBL na Vila Mariana, na Zona Sul da capital paulista.

LEIA TAMBÉM
Prefeito Bruno Covas liderado em São Paulo, diz pesquisa inédita

Uma casa caiu: Toffoli obriga Lava Jato compartilha todos os dados com um PGR

STJ concede prisão domiciliar a Fabrício Queiroz

O MBL é um movimento de direita que surgiu durante o impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff (PT) e pregava, entre outras coisas, o fim da corrupção.

A operação recebeu o nome de “Juno Moneta” (local onde as moedas romanas eram cunhadas). Cerca de 35 policiais civis do Departamento de Operações Policiais Estratégicas (DOPE) e 16 viaturas participam da operação.

Com informações do G1.