Toffoli nega pedido de suspeição de Moraes feito por defesa de Sara Winter

O presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Dias Toffoli, negou o pedido de suspeição feito pela defesa da militante do “gabinete do ódio” Sara Giromini, que se apresenta como Sara Winter, contra o ministro Alexandre de Moraes no inquérito sobre atos antidemocráticos que tramita na Corte. A decisão é do dia 2 de julho.

Segundo a defesa da bolsonarista, Moraes estaria impedido de atuar no procedimento porque seria “inimigo declarado” da investigada, “o que é reforçado pela representação criminal formulada contra ela junto à Procuradora-Geral da República”. A intenção seria “perseguir” a ativista, segundo a defesa.

Em sua decisão, Toffoli afirmou que “é público e notório que eventual suspeição do ministro Alexandre de Moraes foi provocada pela arguente que, logo após sofrer medidas processuais de busca e apreensão” durante operação da Polícia Federal em maio, autorizada por Moraes, “propalou críticas e ameaças à Sua Excelência por vídeo postado em redes sociais”.

LEIA TAMBÉM:

PSDB abre fogo contra o ministro Paulo Guedes em carta aberta; leia a íntegra

Sexta é dia nacional pelo ‘fora Bolsonaro’ com novo panelaço

URGENTE: Facebook desmonta ‘Gabinete do Ódio’ do presidente Jair Bolsonaro

Sara Giromini é investigada pelas ações criminosas do chamado “Grupo dos 300”, que acampou na região das Esplanada dos Ministérios e promoveu atos antidemocráticos onde foram pedidos o fechamento do Congresso e do STF, além do retorno do AI-5, o que abriu um período de forte repressão contra os oposicionistas da ditadura militar.

Giromini foi presa em junho por conta da investigação e foi colocada em liberdade no dia 24, mediante uso de tornozeleira eletrônica.