Sem oposição, Ratinho Júnior tem 74% de aprovação no Paraná

O governador do Paraná, Ratinho Junior (PSD), sem oposição, tem 74% de aprovação no estado.

De acordo com levantamento da Paraná Pesquisas, contratado pelo Grupo RIC (TV Record), o filho do apresentador Ratinho do SBT tem a gestão aprovada por 74,2% dos paranaenses.

Os que desaprovam somam 20,4% e 5,4% não sabem ou não opinaram.

Ainda de acordo com a sondagem, 67,6% aprovam o desempenho do governador no combate ao novo coronavírus –mesmo com a disparada de casos e mortes no estado pela Covid-19.

A Paraná Pesquisas afirma que o número já leva em consideração as medidas de “quarentena restritiva” tomadas nas últimas semanas.

No Paraná, Ratinho Junior fez uma frente política “oculta” com o ex-governador Beto Richa (PSDB) e os senadores Alvaro Dias (Podemos), Flávio Arns (Rede) e Oriovisto Guimarães (Podemos) na eleição de 2018.

A “frente ampla” de Ratinho também agregou Jair Bolsonaro e o prefeito Rafael Greca (DEM), cuja missão principal no Paraná era derrotar o então senador Roberto Requião (MDB) para vencer a disputa eleitoral.

O instituto entrevistou 1.512 pessoas em 162 municípios, entre 9 e 10 de julho. A margem de erro é de 2,5% para mais ou para menos.

LEIA TAMBÉM

Vox Populi vê Moro com candidatura ‘natimorta’ e Bolsonaro ‘sem freios’ descendo a ladeira

O Vox Populi, do sociólogo Marcos Coimbra, realizou uma nova pesquisa de opinião a pedido do PT para saber o humor do eleitorado em tempos de pandemia do novo coronavírus.

Segundo o levantamento, que será divulgado nas próximas horas, o ex-juiz Sérgio Moro tem a candidatura natimorta, ou seja, dificilmente vingará e resistirá até 2022.

O Blog do Esmael repercutiu mais cedo um artigo de Thaís Yoama, do UOL, que cravou as dificuldades de Moro: sem cargo, sem partido e sem palanque.

O Vox Populi que virá a lume em brevíssimo tempo também captou a percepção dos brasileiros após a prisão e soltura de Queiroz, o anúncio de Bolsonaro de que testou positivo para o Covid-19, o aumento do desemprego, a lambança na educação e na saúde, enfim, a falta de governo para a população e a forte presença do Estado a favor dos bancos ligados ao ministro Paulo Guedes.

Marcos Coimbra diverge dos demais institutos de pesquisa, que mostram Jair Bolsonaro consolidado com 30% de apoio entre os eleitores. A fatura pelo desgoverno já chegou, portanto.

O dono do Vox Populi enxerga outra coisa, que Datafolha, Ibope e Paraná Pesquisas não viram. Coimbra vê o capitão descendo ladeira abaixo, e sem freios.