Requião lança campanha pela anistia de Queiroz, Protógenes Queiroz

Publicado em 10 julho, 2020

O ex-senador Roberto Requião (MDB) lançou uma campanha nesta sexta-feira (10) pela aprovação da anistia de Queiroz, Protógenes Queiroz, ex-delegado da Polícia Federal e ex-deputado federal pelo PCdoB de São Paulo.

Protógenes foi condenado pelo STF de vazar informações da Operação Satiagraha, que investigava desvios de verbas públicas, crimes contra o sistema financeiro, corrupção e lavagem de dinheiro.

.

Nessa operação, eram alvos o banqueiro Daniel Dantas, do Banco Opportunity, além do ex-prefeito Celso Pitta e do investidor Naji Nahas.

Em 2015, não reeleito para a Câmara, Protógenes foi demitido da PF sob o argumento de “prevalecer-se, abusivamente, da condição de funcionário policial”, revelar “segredo do qual se apropriou em razão do cargo” e “praticar ato lesivo da honra ou do patrimônio da pessoa, natural ou jurídica, com abuso ou desvio de poder”.

Atualmente, Protógenes Queiroz vive exilado na Suíça desde 2016.

.

Numa transmissão nas redes sociais, Requião informou que há um projeto do deputado Celso Russomano (Republicanos-SP) que anistia o “Queiroz do Bem”, no caso, Protógenes.

O projeto de lei tramitando na Câmara tem o apoio suprapartidário do PSL, PCdoB, PT, MDB, PRB, PP, Podemos e Cidadania.

A ideia é restituir a Protógenes Queiroz anistia de seus direitos políticos, bem como o cargo de delegado da Polícia Federal.

.

O deputado federal Orlando Silva (PCdoB-SP), mesmo partido pelo qual Protógenes foi deputado, também argumenta que a condenação dele é seletiva. “Defendo a anistia de Protógenes porque só ele foi condenado por práticas que são rotina de agentes públicos. Quem observa as decisões judiciais no Brasil percebe que a condenação é seletiva”. disse Orlando em abril de 2019.

Assista ao vídeo de Requião.

https://www.facebook.com/watch/?v=2698810520376766

.

LEIA TAMBÉM

Moro espionava PGR para salvar a pele de Dallagnol e da Lava Jato; diz Veja

Publicado em 10 julho, 2020

A revista Veja está lançando mais uma bomba que vai explodir sobre as cabeças já atordoadas de Sérgio Moro, Deltan Dallagnol e a força tarefa da Lava Jato.

Há pouco mais de um ano, a série de reportagens intitulada Vaza-Jato do site Intercept Brasil passou a expor o que muita gente já sabia, ou suspeitava. O ex-juiz Sérgio Moro atuava em conluio com os promotores da Lava-Jato sendo o verdadeiro comandante da força-tarefa.
.

Eles não mediram esforços e não repeitaram as regras do Judiciário. Tudo para condenar seus inimigos político, principalmente o ex-presidente Lula.

Agora, a Veja aponta que, mesmo depois de abandonar a magistratura para ser ministro de Bolsonaro, Moro continuou sendo uma figura influente entre os promotores da Lava Jato.

A quebra de braço entre a Lava Jato e a chefia do Ministério Público Federal em Brasília ficou evidente quando os procuradores de Curitiba se assenhoraram dos dados obtidos em escutas telefônicas e em buscas e apreensões nas investigações. Eles tentaram negar acesso à Procuradoria-geral da República a essas informações, sob o pretexto de que são sigilosas.

.

Pois, há poucos dias Moro teve informação privilegiada de dentro da PGR e avisou a “República de Curitiba”. Moro teria mandado mensagem dizendo: “O chefe de vocês está indo pra cima”, alertou o ex-juiz em uma mensagem a um dos procuradores da Lava-Jato.

Moro estava certo, como mostra a matéria a seguir. Se os objetivos de Augusto Aras são agradar Bolsonaro ou não, isso é outra história. Mas que há sujeira debaixo dos tapetes do Ministério Público Federal de Curitiba, disso ninguém duvida.

Com informações da Veja.

.