Renato Feder pode bater na trave e Educação segue sem ministro

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) não dá, mesmo, importância à Educação. O MEC segue sem titular em plena pandemia, em que mais de 48 milhões de alunos da educação básica estão em casa, alguns com aulas online, outros sem acesso ao ensino à distância.

A informação é que Renato Feder, o secretário da Educação do Paraná não irá vingar. Ou seja, outra vez, o indicado pelo apresentador Ratinho, do SBT, bateu na trave.

Na primeira vez que foi aventado, por questão de currículo, segundo Bolsonaro, o “melhor” nome foi do brevíssimo Carlos Decotelli, que, após seis dias, foi demitido.

A Educação, assim como a Saúde, são as duas principais pastas do governo, porém ambas estão acéfalas e têm direções precárias e provisória.

Segundo o INEP, o sistema educacional brasileiro conta com os seguintes números (censo escolar 2019):

  • Educação infantil – 8,9 milhões matrículas
  • Creches – 3,8 milhões de matrículas
  • Pré-escolas – 5,2 milhões de matrículas
  • Educação fundamental – 26,9 milhões de matrículas
  • Ensino Médio – 7,5 milhões de matrículas
  • Educação Profissional – 1,9 milhão de matrículas
  • Professores da educação básica – 2,2 milhões
  • Diretores de escolas – 161,4 mil

A Educação, caro leitor, é muito séria para ser decidida pelos Ratinho da vida, os Olavo de Carvalho ou os filhos do presidente Jair Bolsonaro. O MEC não pode continuar sendo um joguete ideológico nas mãos de fundamentalistas de extrema direita e de apedeutas.

É por isso que Bolsonaro precisa ser interditado urgentemente.

LEIA TAMBÉM

Jair Bolsonaro, mais uma vez, declaro seu amor pelos Estados Unidos

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido), mais uma vez disse ‘I love you’ para a bandeira dos Estados Unidos, neste sábado (4), data que o país do norte comemorou o Dia da Independência.

Bolsonaro e comitiva do governo brasileiro –Braga Netto (Casa Civil), Ernesto Araújo (Relações Internacionais), Luiz Eduardo Ramos (Secretaria de Governo) e Fernando Azevedo (Defesa)– almoçaram hoje com o embaixador norte-americano, Todd Chapmann, na embaixada dos EUA, em Brasília.

A devoção do presidente brasileiro pelo Tio Sam foi duramente criticada hoje nas redes sociais. Parte dos compatriotas de Bolsonaro veem submissão do governo de plantão aos interesses estrangeiros.