Preso da Lava Jato morre por Covid-19

O ex-deputado federal Nelson Meurer (PP-PR), preso da Lava Jato desde outubro do ano passado, morreu neste domingo (12) por Covid-19.

Condenado a 13 anos e 9 meses, no âmbito da Lava Jato, o ex-parlamentar de 77 anos cumpria a pena na Penitenciária Estadual de Francisco Beltrão, Sudoeste do Paraná.

Meurer foi o primeiro condenado pelo STF (Supremo Tribunal Federal) na Operação Lava Jato.

Ele foi internado após testar positivo para Covid-19, segundo confirmação da sistema prisional.

A defesa do ex-deputado do PP tentou várias vezes obter prisão domiciliar, mas todos os pedidos foram rejeitados pelo STF.

Nelson Meurer, para a ciência, era considerado um preso de risco porque era idoso, cardiopata, diabético, hipertenso e renal crônico.

Nesta semana, a defesa do ex-parlamentar morto havia entrado com um novo pedido para a progressão de regime. No entanto, não deu tempo.

Ex-prefeito do município de Francisco Beltrão, entre 1983 e 1993, Meurer exerceu mandatos de deputado federal entre 1995 e 2018.

O prefeito de Francisco Beltrão, Cleber Fontana, decretou luto oficial município do Sudoeste do Paraná. Em nota, a Prefeitura disse reconhecer o trabalho do ex-parlamentar em benefício da cidade.

O STF e a Lava Jato não se pronunciaram sobre a morte de Nelson Meurer, que estava sob a custódia do Estado.

LEIA TAMBÉM

Médica bolsonarista é afastada do Hospital Albert Einstein por citação nazista

A médica Nise YamaguChi, também conhecida como Doutora Cloroquina, foi afastada do Hospital Albert Einstein em São Paulo.

Ela defende o uso da Cloroquina para tratamento da Covid-19 e muita gente simpática ao bolsonarismo inferiu erroneamente que esse fosse o motivo do seu afastamento. Mas não foi.

O real motivo foi uma fala infeliz da médica. Ela disse: “Você acha que alguns poucos militares nazistas conseguiriam controlar aquela MASSA DE REBANHO de judeus famintos se não os submetessem diariamente a humilhações, humilhações, humilhações…”.

Veja o que escreveu o jornalista Leandro Demori:

“As pessoas ligadas ao bolsonarismo só têm duas analogias no repertório: judeus ou sexo. Agora foi a vez da Ms. Cloroquina.”

A seguir, reproduzimos uma nota do Hospital explicando o incidente:

ALBERT EINSTEIN

SOCIEDADE BENEFICENTE ISRAELITA BRASILEIRA

Nota à imprensa

São Paulo, 11 de julho de 2020 — Com relação a declarações prestadas pela Dra. Nise Yamagushi, o Hospital Israelita Albert Einstein tem a esclarecer o seguinte:

1. O hospital respeita a autonomia inerente ao exercício profissional de todos os médicos, jamais permitindo restrições ou imposições que possam impedir a sua liberdade ou possam prejudicar a eficiência e a correção de seu trabalho.

2. A Dra. Nise Yamagushi faz parte do corpo clínico do Hospital, sendo admissível que perfilhe entendimento próprio com relação ao atendimento de seus pacientes ou à sua postura em face da pandemia ora combatida, desde que observe as regras relacionadas ao uso da sua rendição de integrante do Corpo Clínico em sua comunicação. 

3. Trata-se, contudo, de hospital israelita e a Dra. Nise Yamagushi, em entrevista recente, estabeleceu analogia infeliz e infundada entre o pânico provocado pela pandemia e a postura de vítimas do holocausto ao declarar que “você acha que alguns poucos militares nazistas conseguiriam controlar aquela MASSA DE REBANHO de judeus famintos se não os submetessem diariamente a humilhações, humilhações, humilhações…”.

4. Como se trata de manifestação insólita, o hospital houve por bem averiguar se houve mero despropósito destituído de intuito ofensivo ou manifestação de desapreço motivada por algum conflito. Durante essa averiguação, que deve ser breve, o hospital não esperava que o fato viesse a público.

A expectativa do hospital é a de que o incidente tenha a melhor e mais célere resolução, de modo a arredar dúvidas e remover desconfortos.

HOSPITAL ISRAELITA ALBERT EINSTEIN

A deputada Janaina Paschoal foi uma das pessoas que se apressou a julgar a postura do hospital sem saber dos fatos. Ela foi “esclarecida” pela jornalista Mônica Bergamo.

Confira abaixo:

Parece que a Doutora Nise, assim como Osmar Terra,  é candidata ao ministério da Saúde. Os dois são mais bolsonaristas que o próprio Bolsonaro. Como diz o ditado: “Quando a esmola é demais, até o santo desconfia.”