Pandemia é mais cruel para quem ganha de 1 a 2 salários mínimos, segundo Caged

Segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), órgão do IBGE, a pandemia do novo coronavírus tem sido mais cruel para os trabalhadores que ganham de 1 a 2 salários mínimos.

De acordo com levantamento da Secretaria Especial de Previdência e Trabalho, 75,5% do total de vagas fechadas no ano estão nesse patamar de renda entre 1 e 2 salários mínimos.

No acumulado de 2020, do total de 1,145 milhão de vagas fechadas, mais da metade foi na faixa salarial de 1,01 a 1,5 salário mínimo – um total de 635,1 mil postos de trabalho fechados. Essa faixa liderou o saldo de vagas criadas em 2018 e 2019.

Já na faixa de 1,51 a 2 salários mínimos, foram 229,3 mil postos fechados até maio deste ano. Essas duas faixas corresponderam a 75,5% do total de vagas fechadas no ano.

No caso da renda de 0,51 a 1,0 salário mínimo, que ficou na vice-liderança de criação de vagas em 2018 e 2019, foram fechadas mais de 45 mil vagas.

A única faixa salarial com saldo positivo de vagas neste ano foi a de até meio salário mínimo: 24,2 mil vagas criadas.

O Caged informa que as ocupações com maior número de postos criados estão nas áreas de saúde, educação e agricultura.

LEIA TAMBÉM

Bolsonaro se explica, mas não convence as redes sociais

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) publicou nas redes sociais um diagnóstico sombrio sobre depressão econômica, mas, em sete pontos, não apresentou nenhuma solução que confortasse os brasileiros.

Bolsonaro foi eleito presidente da República para dirigir os destinos da Nação, no entanto, com um ano e meio de governo, entregou o “timão” do governo para os bancos cujo representante é o ministro Paulo Guedes.

Ou o presidente apresenta uma proposta de desenvolvimento nos próximos dias ou renuncie.

O cerco está se fechando para a incompetência, que se agrava com a política genocida do governo de plantão.

Eis o que Bolsonaro publicou em suas redes sociais na manhã deste domingo (12):

  1. A HORA DA VERDADE:
  2. Milhões de empregos destruídos, dezenas de milhões de informais sem renda e um país na beira da recessão.
  3. A situação só não está pior pelas ações do Governo Federal que foi ao socorro das pequenas e médias empresas, arranjou recursos para estados e municípios e está pagando Auxílio Emergencial de R$ 600,00 para mais de 60 milhões de pessoas.
  4. Sempre disse que o efeito colateral do combate ao vírus não poderia ser pior que o próprio vírus.
  5. A realidade do futuro de cada família brasileira deve ser despolitizada da pandemia. Os números reais dessa guerra brevemente aparecerão.
  6. A desinformação foi uma arma largamente utilizada. O pânico foi disseminado fazendo as pessoas acreditarem que só tinham um grave problema para enfrentar.
  7. Não será fácil, mas havemos de recomeçar. BOM DIA A TODOS.

Senhor presidente Jair Bolsonaro, qual o plano de desenvolvimento?

Em tempo: segundo os numerólogos, o número “sete” é o número da mentira.