geraldo alckmin

Lava Jato eleitoral denuncia Geraldo Alckmin por corrupção, lavagem de dinheiro e caixa dois

O Ministério Público de São Paulo (MP-SP) denunciou nesta quinta-feira (23) o ex-governador de São Paulo Geraldo Alckmin (PSDB) por corrupção passiva, lavagem de dinheiro e falsidade ideológica eleitoral (caixa dois). A acusação foi apresentada no âmbito da Lava Jato eleitoral.

De acordo com a denúncia, Alckmin recebeu R$ 2 milhões em espécie da construtora Odebrecht na campanha ao Palácio dos Bandeirantes em 2010 e R$ 9,3 milhões quando disputou a reeleição, em 2014.

“Os recursos não foram registrados nas prestações de contas do candidato (falsidade ideológica), que solicitou e recebeu vantagem indevida (corrupção passiva), pagas pelo setor de operações estruturadas da Odebrecht, a partir do emprego de métodos ilícitos como uso de ‘doleiros’, com o fim de ocultar a origem dos valores e dificultar a possibilidade de seu rastreio (lavagem de dinheiro). Esses recursos destinavam-se, num primeiro momento, ao financiamento eleitoral indevido (não declarado) e, num momento seguinte, pós eleições, à manutenção da influência do grupo empresarial junto ao governo”, afirmou a Promotoria em nota.

LEIA TAMBÉM
Auxílio emergencial ou fundo de reeleição para Bolsonaro?

Flávio Dino defende “união progressista” para derrotar Bolsonaro

Gleisi Hoffmann será entrevistada pelo Blog do Esmael no sábado, às 11 horas, ao vivo

Além do ex-governador tucano, também foram denunciados Marcos Monteiro (ex-tesoureiro do PSDB), Sebastião Eduardo Alves de Castro (ex-assessor de Alckmin), Alvaro José Gallies Novis (doleiro) e seis ex-executivos da Odebrecht que firmaram acordos de colaboração com o MP-SP.

Defesa
A defesa de Alckmin disse, em nota, que as conclusões do inquérito são “apressadas” e infundadas” e que o ex-governador “nunca recebeu valores a título de contribuição de campanha eleitoral que não tenham sido devidamente declarados”.

Com informações da Folha.