Haddad defende confisco de recursos do Sistema S para a educação profissional gratuita

O ex-prefeito Fernando Haddad (PT), em artigo na Folha, defendeu que os recursos do Sistema S garantam educação profissional gratuita, no contraturno, para todos os alunos do ensino médio público, na perspectiva do ensino integral.

Segundo o petista, com os recursos do Sistema S, algo perto de R$ 30 bilhões, seria possível garantir a gratuidade, bem como o foco no ensino médio, que aproximaria o sistema educacional brasileiro aos melhores modelos do mundo.

“Está mais do que na hora de salvar o Sistema S da política de destruição de [Paulo] Guedes e da visão anacrônica de muitos de seus administradores”, cutucou Haddad, referindo-se ao ministro da Economia.

O ex-prefeito e ex-ministro Haddad deixa claro no artigo que esse bilionário recurso público seria destinado à educação profissionalizante pública, que não continuaria sob a tutela do Sistema S, qual seja, Sesi, Senac, Senai, Sebrae, Sescoop, etc., entidades paraestatais que se comportam como se fossem privadas.

Repitamos o texto de Haddad: “Sugerimos que os recursos do sistema S garantam educação profissional gratuita, no contraturno, para todos os alunos do ensino médio público, na perspectiva do ensino integral.

Hoje em dia o Sistema S funciona como instituições privadas de ensino. Possui de escolas internacionais a universidades pelo país afora cobrando mensalidades escolares dos alunos, apesar da subvenção estatal.

A mudança proposta por Haddad, de que o Estado gira esse ensino profissionalizante, gratuitamente, é bem-vinda e merece aplausos de todos.

Leia a íntegra do artigo de Fernando Haddad:

O Fundeb e o Sistema S

Fernando Haddad*

Sem dúvida, o Fundeb (2006-2020) é a maior realização do governo Lula na área da educação básica.

Em relação ao Fundef (1996-2006), sua inspiração, o Fundeb trouxe vantagens:

1) inclusão das matrículas da educação infantil e do ensino médio, ampliando o alcance do fundo, antes restrito ao ensino fundamental;

2) aporte de recursos da União equivalente a 10% da soma de recursos de todos os entes federados (Estados e municípios), contra 1% do fundo anterior.

O Fundef não apenas não envolveu dinheiro novo como também, por deficiência técnica de desenho, gerou um esqueleto da ordem de R$ 150 bilhões de dívida da União para com os estados.

Os resultados do Fundeb são palpáveis:

1) as matrículas em educação infantil, particularmente na creche, aumentaram (de 15%, em 2003, para 35%);

2) a qualidade do ensino fundamental melhorou consideravelmente;

3) foi criado um piso nacional do magistério, hoje em R$ 2.886,24.

O Ideb (indicador de qualidade) do ensino fundamental 1 subiu de 3,8 para 5,8 (117% da meta), e o do fundamental 2, de 3,5 para 4,7 (80% da meta). Já o ensino médio inspira preocupação: o Ideb subiu de 3,4 para 3,8 (31% da meta). Essa evolução prejudica nosso desempenho nas avaliações internacionais (Pisa), ainda que o Brasil, de 2003 a 2012, tenha sido dos países que mais avançaram.

A estagnação, desde então, tem muito a ver —como argumentei no texto “Pisa”, em 7/12— com o desempenho dos estados brasileiros “ricos”, que demonstraram baixa capacidade de gestão, frente aos estados que receberam recursos do Fundeb, mas, ainda assim, investiram por aluno menos do que a média nacional. Como explicar que PE e CE tenham resultados melhores que SP e MG, respectivamente?

Desde que saímos do patamar de indigência orçamentária a que a educação foi submetida por todo século 20, temos um caminho a percorrer que vai exigir mais técnica e ciência aplicadas à educação.

Para além de um Fundeb aprimorado, penso que o Congresso deveria se debruçar sobre uma proposta que fizemos em 2008 e que só realizamos parcialmente, na única reforma do sistema S feita nos seus quase 80 anos de existência.

Sugerimos que os recursos do sistema S garantam educação profissional gratuita, no contraturno, para todos os alunos do ensino médio público, na perspectiva do ensino integral. Conseguimos garantir a gratuidade, mas não o foco no ensino médio, que aproximaria nosso sistema educacional dos melhores modelos do mundo.

Está mais do que na hora de salvar o Sistema S da política de destruição de Guedes e da visão anacrônica de muitos de seus administradores.

*Fernando Haddad, PT, é ex-prefeito de São Paulo e ex-ministro da Educação. Artigo originalmente publicado no jornal Folha de S. Paulo.

LEIA TAMBÉM

URGENTE: Bolsonaro nomeia Pastor Milton Ribeiro para o ministério da Educação

Publicado em 10 julho, 2020

O presidente Bolsonaro comunicou pelo Facebook que nomeou o Pastor Milton Ribeiro para o ministério da Educação.

 Bolsonaro escreveu:
– Indiquei o Professor Milton Ribeiro para ser o titular do Ministério da Educação.
– Doutor em Educação pela USP, mestre em Direito pela Universidade Presbiteriana Mackenzie e graduado em Direito e Teologia.
– Desde maio de 2019, é membro da Comissão de Ética da Presidência da República.”

Ele é advogado e membro da Comissão de Ética Pública da Presidência. Milton Ribeiro já aceitou o convite e vai assumir o cargo nessa tão maltratada área do governo.

Ribeiro é doutor em educação da USP (Universidade de São Paulo), mestre em direito constitucional pela Universidade Presbiteriana Mackenzie e especialista em Administração Acadêmica pelo CRUB (Conselho de Reitores das Universidades Brasileiras) com estágio em Joplin, Universidade do Estado de Kansas.

Ribeiro é pastor e atua no Conselho Deliberativo no Instituto Presbiteriano Mackenzie. É ex-reitor em exercício e ex-vice-reitor da Universidade Presbiteriana Mackenzie.