Caixa Fed

Fatiar a Caixa para privatizá-la a preço vil é crime de lesa-pátria, denunciam deputados petistas

O líder da Bancada do PT na Câmara, deputado Enio Verri (PR), o deputado Zé Carlos (PT-MA), presidente da Frente Parlamentar Mista em Defesa dos Bancos Público e a deputada Erika Kokay (PT-DF), questionaram nesta sexta-feira (17) a decisão da cúpula da Caixa Econômica Federal de retomar o processo de privatização de subsidiárias do banco público. Na quinta (16), o vice-presidente de Finanças e Controladoria/Relações com o Mercado da Caixa, Gabriel Dutra Cardozo Vieira de Goes, anunciou a volta das discussões e análises sobre o processo de oferta pública de ações da Caixa Seguridade, suspensa desde março deste ano.

Na avaliação do líder, por si só privatizar é ruim, porque pega-se a economia de toda uma população durante décadas para entregar à iniciativa privada, normalmente por um preço vil. “Agora a Caixa vai vender aos pedaços suas empresas, talvez a um amigo ou alguém próximo ao ministro Paulo Guedes (Economia) ou próximo dos seus amigos, todos especuladores do mercado financeiro”, criticou.

LEIA TAMBÉM
Lava Jato implode em São Paulo

Governo Bolsonaro cogita promover guerra contra a Venezuela, alerta Haddad

STF envia notícia-crime contra Damares à PGR por fala em reunião ministerial

Telegramas revelam que embaixador do Brasil na França boicotou homenagem a Marielle Franco em Paris

Enio Verri enfatizou que a Caixa tem um papel muito importante na vida do País, como um banco prestador de serviço à sociedade, e citou como exemplo o pagamento do auxílio emergencial feito neste momento de crise sanitária e econômica. “Entendemos essa privatização como um absurdo, um crime de lesa-pátria”, enfatizou.

Para Zé Carlos, funcionário do banco e ex-superintendente da instituição em seu estado, a Caixa tem uma enorme importância para a classe trabalhadora do País. Ele explicou, por exemplo, que nenhum banco privado teria interesse de financiar imóveis populares e o ensino superior para a população de baixa renda, como faz a Caixa. O petista argumentou que um banco privado também não teria interesse em manter agências deficitárias no interior do País. Segundo Zé Carlos, a privatização fatiada da Caixa é apenas uma estratégia para enfraquecer o banco aos poucos, e depois entregá-lo a iniciativa privada por completo.

“Esse governo neoliberal sabe da pressão popular em defesa da Caixa, e por isso, está adotando estratégias de privatização aos poucos. Hoje, querem a privatização da Caixa Seguridade. Caso consigam, terão dado um grande passo para a privatização completa do nosso banco, o que seria praticamente, entregar a nossa soberania nacional ao capital financeiro”, acusou Zé Carlos.

Ação no TCU e no MP
A deputada Erika Kokay, que também é funcionária da Caixa, lembrou que ela e o líder Enio Verri entraram no mês passado com uma ação no Tribunal de Contas da União (TCU) e no Ministério Público para tentar impedir a privatização fatiada da instituição. Ela explica que nas ações são questionadas a legalidade, a transparência e a conveniência da operação. Nesta semana, o TCU anunciou que vai acompanhar de perto o processo de abertura de capital da Caixa Seguridade.

Segundo Kokay, a tentativa de privatização é ilegal simplesmente porque não conta com a autorização do Congresso Nacional. Ela também denunciou que há conflito de interesse, configurado pela participação do atual presidente do banco, Pedro Guimarães, como ex-sócio do Banco Plural. A instituição fazia parte, até pouco tempo atrás, do ‘sindicato dos bancos’, consórcio contratado para fazer a estruturação da ‘abertura de capital’ da Caixa Seguridade. Depois que a ligação foi revelada pela imprensa, o banco foi retirado do ‘sindicato’.

“Ainda assim, perdura o questionamento até que ponto o Banco Plural teve acesso a informações privilegiadas da Caixa Seguridade, enquanto participou da composição do tal sindicato”, ressaltou Erika.

Além do conflito de interesse, Erika Kokay questionou os valores acertados com o ‘sindicato dos bancos’ para viabilizar a estruturação da privatização. A parlamentar lembrou que a Caixa Econômica primeiramente determinou que remuneração pelo trabalho do ‘sindicato’ seria de 1,15% sobre o valor total da oferta. Esse percentual caiu para 0,89% após questionamentos de movimentos contrários a privatização, também divulgados pela imprensa. Segundo a deputada, mesmo com a redução do percentual os valores são astronômicos.

“Por exemplo, na modelagem da privatização da Lotex (Loteria Instantânea da Caixa responsável pelas ‘raspadinhas’) o BNDES recebeu cerca de R$ 4,5 milhões pelo serviço. Agora, pelo mesmo trabalho, o ‘sindicato dos bancos’ receberia cerca de R$ 133 milhões de comissão da Caixa. Isso é um absurdo”, protestou a deputada.

Entrega do patrimônio
De acordo com a parlamentar, um dos maiores escândalos nessa tentativa de privatização ocorre justamente pela total inconveniência do negócio. Erika Kokay lembra que a Caixa Seguridade é lucrativa, e que vendê-la em um período de crise sanitária, econômica e com o dólar em alta, seria praticamente entregá-la a preço muito baixo a grupos internacionais.

“A Caixa Seguridade é superavitária e ajuda a compor grande parte do lucro da Caixa Econômica Federal. Além disso, seus produtos estão em alta, como os seguros de saúde, devido à crise sanitária, e os títulos de Previdência privada, devido à insegurança causada pela Reforma da Previdência. E mesmo que não fosse lucrativa, por conta do atual momento de crise econômica, causada pela pandemia, o momento seria totalmente inoportuno para privatizá-la”, esclareceu Kokay.

A parlamentar disse ainda que, com o dólar em alta, a privatização da Caixa Seguridade beneficiaria principalmente empresas estrangeiras. Para finalizar, a deputada ressaltou que outros países, como Itália e Espanha, estão tomando medidas para evitar a venda de ativos de suas empresas nacionais neste momento de crise, por conta do desaquecimento do mercado de compra.

Projeto proíbe privatização
O líder Enio Verri, em conjunto com as líderes do PSOL, deputada Fernanda Melchionna (RS); do PCdoB, deputada Perpétua Almeida (AC) e da Rede, deputada Joênia Wapichana (RR), apresentaram um projeto de lei (PL 2715/2020) impedindo as privatizações do País neste período de pandemia e de crise econômica.

O projeto propõe a suspensão das privatizações até 1 ano após o fim do estado de calamidade pública. Na prática, os processos de desestatização e desinvestimentos só poderiam ser retomados em 2022. O objetivo da proposta é frear o ímpeto do governo Bolsonaro de privatizar empresas a ‘toque de caixa’. No final do mês de junho, o próprio presidente da Caixa, Pedro Guimarães, admitiu publicamente que a intenção do governo é privatizar setores estratégicos do banco como o setor de seguros (Caixa Seguridade), e também os setores de cartões, asset management (gestão de ativos) e loterias.

Do PT na Câmara