Em parecer ao STF, Aras diz que Bolsonaro pode escolher como irá depor no inquérito sobre suposta interferência na PF

O procurador-geral da República, Augusto Aras, pediu ao Supremo Tribunal Federal (STF) que o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) possa escolher a forma como prefere depor no inquérito que apura suposta interferência na Polícia Federal (PF).

Em parecer enviado à Corte, Aras diz que o presidente tem o direito de optar por enviar uma manifestação por escrito, ir pessoalmente ou mesmo ficar em silêncio.

A consulta ao procurador-geral foi feita pelo relator do caso no STF, ministro Celso de Mello, que decidirá como Bolsonaro será ouvido no processo.

LEIA TAMBÉM:
Saiba o que há por de trás da campanha contra o Facebook

Por que a ‘picanha’ de Gilmar Mendes causou tanta polêmica nas redes sociais?

Deltan Dallagnol vai a julgamento dia 7 por powerpoint contra Lula

A investigação foi autorizada pelo Supremo em 27 de abril, três dias após o então ministro da Justiça, Sérgio Moro, ter anunciado a demissão do cargo. Na ocasião, Moro disse que Bolsonaro interferiu na PF ao demitir o então diretor-geral da instituição, Maurício Valeixo.

O primeiro a ser ouvido no inquérito foi o próprio Moro, no dia 2 de maio. Na sequência, a PF ainda tomou mais de dez depoimentos, entre ministros, delegados e políticos aliados do presidente.

Com informações do Estadão.