Caso do menino Miguel: Ex-patroa vira ré pela morte

A Justiça de Pernambuco aceitou denúncia apresentada pelo Ministério Público contra Sari Mariana Corte Real por abandono de incapaz no caso da morte do menino Miguel Otávio em Recife. Com a decisão, Sari virá ré em um processo criminal.

O despacho foi assinado na noite de terça-feira (14). A decisão foi proferida pelo juiz José Renato Bizerra, da 1ª Vara de Crimes contra a Criança e o Adolescente do Recife.

A defesa de Sari será notificada e terá dez dias para apresentar manifestação por escrito. Não há previsão para a sentença.

LEIA TAMBÉM:

Manifestação em Recife pede justiça para o caso do menino Miguel

Doria diz que sem vacina brasileiros não terão festas de ano novo e carnaval

Fla x Flu será transmitido no SBT depois de drible na Globo com ajuda de Bolsonaro

Entenda o caso:

No dia 2 de junho, Miguel, de 5 anos, havia sido levado pela mãe, Mirtes Renata, para a casa onde trabalhava, porque não tinha com quem deixá-lo em função da pandemia de Covid-19. A patroa pediu a Mirtes que fosse passear com o cachorro. O filho ficou no apartamento. Sari, então, deixou o menino entrar em um elevador, sozinho, e voltou para casa para fazer a unha com uma manicure. Ele entrou no elevador, no quinto andar, e foi até o nono, de onde caiu.