Carlos Bolsonaro emplaca ex-assessor no comando da Funarte

O vereador Carlos Bolsonaro emplacou no comando da Fundação Nacional das Artes (Funarte) o ex-assessor Luciano Querido, que foi nomeado nesta segunda-feira (13).

O novo presidente da Funarte é formado em direito e técnico de TI, ele já comandava interinamente a fundação desde maio e, no mês passado, foi alvo de uma ação Ministério Público Federal, que pediu à Justiça a suspensão do nome, já que Querido não possui a formação específica ou a experiência profissional exigida por lei para ocupar o cargo de chefia.

A nomeação foi assinada pelo ministro chefe da Casa Civil, Walter Braga Netto, e publicada no Diário Oficial da União (DOU) desta segunda.

LEIA TAMBÉM:

Moro sem cargo, sem partido e sem palanque para a eleição de 2022

Sobe número de mortes por Covid-19 em Curitiba, mas o asfalto está lisinho da Silva

Outdoors contra Bolsonaro: “A Morte não pode governar o Brasil”

Querido já havia sido indicado em maio para a diretoria executiva da fundação, quando o governo de Jair Bolsonaro reconduziu o maestro Dante Mantovani para a presidência da Funarte. Após polêmicas na indicação de Mantovani, Bolsonaro recuou e Querido passou a comandar o órgão.

O ex-assessor de Carlos Bolsonaro atuou entre 2002 e 2017 no gabinete de Carlos Bolsonaro, na câmara do Rio de Janeiro. Sua função era cuidar de “toda a parte de informática, como designer gráfico, web designer e banco de dados e mídias sociais”. Agora, ele vai comandar um órgão que atua em todo o território nacional e é responsável por políticas de fomento às artes visuais, à música, à dança, ao teatro e ao circo no Brasil.