Brasil lidera as mortes mundiais diárias por Covid-19 com 1.290 óbitos em 03/06

O balanço diário publicado pelo ministério (quartel) da Saúde do governo Bolsonaro mostra que o Brasil teve 1.290 mortes por Covid-19 registradas nas últimas 24 horas.

O número mantém o País na liderança mundial de mortes diárias, a frente do México  com 741 e dos Estados Unidos com 725 óbitos nesta sexta.

Confira os principais números do balanço:

  • 1.290 mortes registradas nas últimas 24 horas;
  • 63.174 mortes desde o início da pandemia;
  • 42.223 novos casos registrados nas últimas 24 horas;
  • 1.539.081 casos registrados desde o início da pandemia;
  • 4,1% de letalidade.

LEIA TAMBÉM:

O epidemiologista do Centro de Pesquisa Clínica e Epidemiológica do Hospital Universitário da USP, Márcio Bittencourt, avaliou que são múltiplas as causas que explicam os números expressivos de infecções e mortes pela COVID-19 no país.

“O primeiro, obviamente, é o tamanho da população, então o número de [pessoas] suscetíveis no Brasil é muito maior, mas muito mais do que isso eu acho que foi a falta de medidas ou a limitação na quantidade e na intensidade de medidas não farmacológicas ou medidas comunitárias que foram implantadas no país”, afirmou ele, que também é professor da Faculdade Israelita de Ciências da Saúde Albert Einstein, em São Paulo.

Bittencourt explicou que, na sua avaliação, a falta de uma liderança do governo federal, conduzido pelo presidente Jair Bolsonaro, é outro elemento que não pode ser menosprezado. Como em um efeito em cascata, isso resultou em desacertos nas estratégias entre estados e municípios – estes com menos estrutura para planejamento e implementação de medidas.

O epidemiologista foi ouvido pelo Sputnik Brasil.

Brasil soma 1,5 milhão de casos e 61.884 mortes nesta quinta-feira (02/07)

O Brasil está prestes a atingir 1,5 milhão de casos de coronavírus e, nesta quinta-feira (2 de julho), somou 61.884 mortes desde o início da pandemia.

Somente hoje, foram 1.252 novas mortes em relação a ontem. Os dados são do Ministério da Saúde.

Nas últimas 24 horas, o governo federal também somou 48.105 novos casos da doença — a alta é a segunda maior no período, perdendo apenas para as 54.771 do dia 19 de junho.

O país tem 1.496.858 de infectados, segundo os dados apurados junto às secretarias estaduais de Saúde.

O Brasil continua em segundo lugar na quantidade de casos e mortes no mundo. A liderança pertence aos Estados Unidos, com 2.830.472 casos confirmados e 131.415 mortes desde o início da pandemia.

Rússia, Índia e Espanha vêm logo na sequência de países com mais casos e mortes.

LEIA TAMBÉM

Avó de Michelle Bolsonaro está em UTI com suspeita de coronavírus

Publicado em 2 julho, 2020

 

A avó de Michelle Bolsonaro, Maria Aparecida Firmo Ferreira, de 80 anos, foi internada, em estado grave, em uma Unidade de Terapia Intensiva (UTI) de um hospital público do Distrito Federal, na quarta-feira (1). Ela é moradora de Ceilândia, cidade satélite de Brasília.

A avó de Michelle Bolsonaro foi internada com dificuldade respiratória e suspeita do novo coronavírus, no Hospital Regional de Ceilândia (HRC). Com o agravamento do seu estado de saúde, ela foi transferida para uma Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do Hospital Regional de Santa Maria (HRSM).

Em nota o Instituto de Gestão Estratégica de Saúde do Distrito Federal (Iges-DF), que administra o hospital de Santa Maria, informou que “M.A.F.F. está internada no Hospital Regional de Santa Maria (HRSM) desde a data de hoje (01). A paciente chegou em estado grave e está na UTI recebendo todos os cuidados necessários”.

LEIA TAMBÉM:

De acordo com o portal G1, no prontuário médico da avó de Michelle Bolsonaro consta que ela deu entrada na emergência do HRSM após ser encontrada “por populares, na rua, caída”. Ela foi levada para o Hospital Regional de Ceilândia, com falta de ar.

A avó da primeira-dama disse, no hospital, que há 15 dias apresenta sintomas como: tosse seca, febre, coriza, falta de apetite, falta de ar progressiva e dor abaixo das costelas.

O Palácio do Planalto disse que não vai comentar o caso.