Bolsonaro se opõe a Gilmar Mendes

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido), mesmo convalescendo de Covid-19, se opôs fortemente ao ministro do STF Gilmar Mendes acerca da associação do Exército ao genocídio promovido pelo Ministério da Saúde.

Bolsonaro não se furtou nesta quarta-feira (15) de marcar posição em favor do desastre de seu governo no combate à pandemia do novo coranvírus.

O presidente divulgou no Facebook uma nota de desagravo ao general Eduardo Pazuello, que ocupa interinamente o Ministério da Saúde há dois meses.

Nas últimas horas especulou-se a demissão de Pazuello, que, no que pese a contrariedade de militares no governo, não teria o apoio dos generais da ativa para continuar no cargo.

A crise surgiu depois que o ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal, afirmou que o Exército estava se associando a um genocídio.

“Não é aceitável que se tenha esse vazio. Pode até se dizer: a estratégia é tirar o protagonismo do governo federal, é atribuir a responsabilidade a estados e municípios. Se for essa a intenção é preciso se fazer alguma coisa”, afirmou o magistrado no sábado (11) durante uma videoconferência promovida pela revista IstoÉ.

Aí o ministro do STF alertou o Exército pela associação ao genocídio em curso no País:

“Isso é péssimo para a imagem das Forças Armadas. É preciso dizer isso de maneira muito clara: o Exército está se associando a esse genocídio, não é razoável. É preciso pôr fim a isso”, declarou Gilmar Mendes.

O Ministério da Defesa foi à Procuradoria-Geral da República (PGR) contra Gilmar Mendes com base na Lei de Segurança Nacional. [O mesmo dispositivo que o ministro Alexandre de Moraes, do STF, invocado no inquérito das fake news.]

Para o presidente Jair Bolsonaro, no entanto, Pazuello “é um predestinado, nos momentos difíceis sempre está no lugar certo para melhor servir a sua Pátria” e que “quis o destino que o general Pazuello assumisse a interinidade da Saúde em maio último”.

A seguir, leia a íntegra do desagravo que opõe Bolsonaro a Gilmar Mendes:

– TODOS NÓS QUEREMOS O MELHOR PARA O BRASIL.

– O Gen Pazuello é formado na Academia Militar das Agulhas Negras, na arma de Intendência, possuindo mais de 40 anos de experiêncial em logística e administração.

– Em 2014/2015 na sua primeira grande missão como Oficial General foi na criação do Centro de Obtenções do Comando Logístico do Exército.

– Em 2016, nos JO Rio 2016, o Gen Pazuello e sua pequena equipe foram convocados para a gestão da Logística Olímpica e Financeira na parte de Segurança e Defesa. A competição foi um sucesso e elogiada no mundo todo.

– Entre 2018 e 2020, a situação de Roraima foi agravada com um crescente número de venezuelanos fugindo da ditadura e fome de Maduro. Também lá o Gen Pazuello ficou à frente da Operação Acolhida. A ONU e o mundo elogiam até hoje as ações do Exército na região.

– Quis o destino que o Gen Pazuello assumisse a interinidade da Saúde em maio último. Com 5.500 servidores no Ministério o Gen levou consigo apenas 15 militares para a pasta. Grupo esse que já o acompanhava desde antes das Olimpíadas do Rio.

– Pazuello é um predestinado, nos momentos difíceis sempre está no lugar certo para melhor servir a sua Pátria.

– O nosso Exército se orgulha desse nobre soldado.

LEIA TAMBÉM

Felipe Neto denuncia o genocídio de Bolsonaro no New York Times; assista

O blogueiro Felipe Neto fez um vídeo em inglês especialmente para o Jornal The New York Times dos EUA falando da situação da pandemia de Covid-19 nos Estados Unidos e no Brasil.

Traduzimos a fala de Felipe e reproduzimos a seguir:

“Sou um ‘Youtuber’ brasileiro, faço vídeos engraçados e opções de entretenimento para as famílias em todo o mundo que falam português; o que fora o Brasil, Portugal e Angola são, tipo, cinco famílias.

Mas não estou aqui hoje para brincar na frente de um novo público. E sim para falar a sério, você sabe que o circo provavelmente está pegando fogo.

Os americanos gostam de se gabar de ser o líder mundial em tudo. “Que a América é o melhor lugar do mundo.” E desde o surto de Covid, vocês lideram as mortes pela doença.

Isso se deve em parte, é claro, graças ao seu presidente Donald Trump, que muitos de vocês afirmam ser o pior chefe de estado do mundo democrático hoje. Bem, vou mostrar que os 200 milhões brasileiros venceram neste caso.

OK, no momento, somos apenas o segundo em mortes, mas tenho certeza de que nosso líder, Jair Bolsonaro, é o pior presidente da Covid no mundo. Bolsonaro é um militar que defendeu o uso de tortura sob a ditadura do Brasil.

Ele chegou à presidência usando declarações como esta: [Um vídeo mostra Bolsonaro segurando um pedestal de câmera como se fosse uma metralhadora e gritando: “Vamos metralhar a petezada” Em outro vídeo Bolsonaro diz que é homofóbico com muito orgulho].

Preciso dizer mais alguma coisa ou você entendeu? O Brasil é o país em que a Covid-19 que mais cresce no mundo.

A Organização Mundial da Saúde considera o Brasil o novo epicentro da pandemia. Ainda assim, Bolsonaro não mostra sinais de levar a crise a sério. Em suma, ele faz Donald Trump parecer ‘Patch Adams’ (um médico bondoso). Desde o início da crise, ele não parou de sair às ruas, incentivando outros a fazerem o mesmo.

Vocês ficaram chateados por causa de um mísero comício de Trump em Tulsa, três meses após o surto nos EUA. Mas Bolsonaro faz isso o tempo todo. Ele vai a manifestações contra o Congresso. Ele vai a manifestações pedindo intervenção militar. Ele vai a mercados urbanos lotados. Ele vai a cerimônias militares. Ele faz churrasco pulando em um jet ski. Ele vai a protestos contra a Suprema Corte.

Para começar, os dois estão obcecados com a hidro…  hidrocloq… hidrocloroqui… Ah, cale a boca, eu sou brasileiro. Ambos estão obcecados com um medicamento do qual não há evidências de que funcione contra a doença.

Mas há uma grande diferença entre Trump falando sobre isso em entrevistas coletivas e o que nosso cara está fazendo. Bolsonaro pediu às autoridades de saúde que mudassem à força a bula oficial da cloroquina para incluir o coronavírus como uma de suas indicações.

Ele também está usando o laboratório do exército para produzir a cloroquina, enquanto os hospitais públicos enfrentam a escassez de outras medicamentos, como sedativos e analgésicos. Bolsonaro também combate contra qualquer autoridade pública que promova a segurança.

Ele demitiu um ministro da saúde depois de insistir que a quarentena era uma coisa boa. Ele demitiu o ministro da saúde seguinte depois que ele se recusar a prescrever cloroquina a todos os pacientes de Covid. Ele então colocou um militar no ministério da saúde e demitiu a maioria da equipe técnica que estava lá há anos. Ele também está tentando incitar a violência.

Em abril, ele realizou uma reunião ministerial na qual disse: “Como é fácil impor uma ditadura neste País. Por isso que eu quero que o povo se arme, pois é a garantia que não vai ter um filho da puta que vai aparecer para impor uma ditadura aqui.” E ele não parou de falar. Ele também tomou algumas medidas alguns dias depois, aumentando os limites de quantidade de munição que podemos comprar e eliminando todos os regulamentos sobre armas.

Por fim, com o agravamento da crise, Bolsonaro começou a zombar dos mortos e de suas famílias. Quando o Brasil chegou a 2.500 mortos, um repórter pediu uma declaração e sua resposta foi: “Eu não sou coveiro.” Quando chegamos a 5.000 mortos foi: “E daí? Lamento, quer que faça o quê?” Quando o número de mortos chegou a 30.000 foi: “Lamento, mas é o destino de todo mundo.” Quando chegamos a 50.000 mortos, ele ficou musical (mostra o sanfoneiro tocando a Ave Maria completamente desafinado. Quando chegamos a 60.000, ele não disse nada, o que provavelmente foi o melhor.

É tão feio que até Donald Trump admite que não estamos indo bem: “Pergunte a eles como estão indo no Brasil. Ele é um grande amigo meu. Não é bom.” Mas há algo mais que Trump diz que gostaria de mostras para vocês: Trump chama Bolsonaro de um bom amigo, e essa amizade é crucial para Bolsonaro manter sua popularidade. Isso legitima Bolsonaro.

Vocês são o líder mundial em mortes por Covid e, agora, estão nos conduzindo ao abismo. O presidente de vocês tem poucos operadores pelo mundo. E nós somos os danos colaterais deles.

Portanto, se você está se perguntando o que pode fazer para ajudar o Brasil a lidar com nossos lunáticos, não reeleja o seu. Em novembro, vote para manter Trump fora da Casa Branca.

Assista ao vídeo com o original em inglês:

O Jornal escreveu: “Os americanos podem pensar que ninguém está lidando com o coronavírus pior do que o presidente Trump. Mas @felipeneto mostra que o presidente Bolsonaro do Brasil é pior, muito pior.”

Resumidamente, Felipe Neto pede para os americanos não votarem em Trump; pois, se ele não for reeleito, o poder de Bolsonaro diminui, assim como as suas chances de reeleição.

O vídeo foi publicado na seção de opinião do jornal The New York Times