Weintraub, pior ministro da história do MEC, deixa a pasta na quinta

O ministro da Educação Abraham Weintraub deve deixar a pasta nesta semana. Segundo a CNN Brasil, a exoneração dele deve ser publicada na edição do diário oficial da União desta quinta-feira (18).

O site “Brasil Sem Medo”, porta-voz do grupo de Olavo de Carvalho, também noticiou a saída de Weintraub nesta quinta. O ministro demissionário é militante da facção olavista.

A equipe do MEC prepara um balanço do período em que Weintraub esteve à frente da pasta, que foi marcado por uma gestão pífia e sem nenhuma realização. Até mesmo a execução orçamentária foi fraca e desorgarnizada.

Na avaliação de especialistas da área, Weintraub foi o pior ministro da história do MEC.

Nos bastidores do Planalto há uma dura disputa pela cadeira de Weintraub: O grupo de Olavo de Carvalho tenta emplacar Carlos Nadalim ou Ilona Becskeháazy; militares aliados ao bloco parlamentar do “Centrão” cogitam o nome do professor e capitão-de-fragata Eduardo Melo, ex-secretário executivo do MEC.

Weintraub vai sair do Ministério da Educação para enfrentar uma sucessão de processos judiciais e o rumoroso inquérito movido pelo STF sobre os ataques contra os ministros da Corte Suprema.

LEIA TAMBÉM:

Presidente Bolsonaro “chuta” Weintraub do MEC

Sara Winter, apoiadora de Bolsonaro, é transferida para penitenciária feminina de Brasília

Partidos de centro pressionam Maia pela abertura do impeachment de Bolsonaro

Também é motivo de especulação o futuro imediato de Abraham Weintraub, alguns meios noticiam que o ministro demissionário vai ter um “paraquedas de ouro” para amortecer a sua queda. Um cargo no exterior, uma boquinha num banco público ou numa empresa estatal.

Além disso, grupos bolsonaristas defendem que Weintraub seja candidato para a prefeitura de São Paulo nas próximas eleições municipais.