Ratinho decreta quarentena por 14 dias no Paraná; confira

Publicado em 30 junho, 2020

O governador do Paraná, Ratinho Junior (PSD), negou nesta terça-feira (30) que irá decretar ‘lockdown’, mas anunciou quarentena de 14 dias ao estabelecer medidas mais restritivas de combate ao coronavírus.

“Não estamos fazendo lockdown. Estamos aplicando uma quarentena mais restritiva em algumas regiões do estado onde a curva do crescimento está fora do controle”, jurou o governador.

A quarentena mais restritiva, seguindo as orientações do Ministério Público, seria aplicada aos seguintes municípios paranaenses:

  • Cornélio Procópio
  • Cianorte
  • Toledo
  • Cascavel
  • Foz do Iguaçu
  • Curitiba e Região Metropolitana

A quarentena anunciada por Ratinho vai durar 14 dias a partir desta quarta-feira, 1º de julho. O descumprimento das medidas será punido com multa.

O decreto pode ampliar o número de cidades, de acordo com Ratinho, conforme a curva de crescimento do volume de casos.

As determinações envolvem principalmente o setor de comércio e a redução do número de passageiros nos ônibus do transporte coletivo. As principais determinações são:

  • Serviços não essenciais serão suspensos
  • Reuniões comerciais ou privadas devem ser feitas de maneira virtual
  • Procedimentos cirúrgicos eletivos serão suspensos durante o período da quarentena
  • Barreira sanitária de controle de acesso de pessoas nas regiões de quarentena
  • A reportagem está em atualização.

ASSISTA AO PRONUNCIAMENTO DO GOVERNADOR:

Novas medidas que o Estado deve adotar para conter o avanço da Covid-19

O governador Carlos Massa Ratinho Junior faz pronunciamento sobre novas medidas que o Estado deve adotar para conter o avanço da Covid-19.

Publicado por catve.com em Terça-feira, 30 de junho de 2020

Ratinho disse que esta terça-feira (30) foi o pior dia do estado em aumento de número de casos. Segundo ele, nas últimas 24 horas, o Paraná registrou 36 novas mortes e 1.536 novos casos.

O governador, no entanto, não descartou a possibilidade de lockdown. “Essa é a medida mais enérgica que um governador poderia tomar”, afirmou. Precisamos muito da consciência de cada um. Não adianta tomar as medidas se a própria população não tomar consciência disso”, destacou Ratinho.

Segundo ele, o estado não tem problemas com relação a quantidade de respiradores. Contudo, insumos como, por exemplo, medicamentos para a sedação estão em escassez. Ele também citou a escassez no número de profissionais intensivistas que atuem em UTIs.

Na reunião que teve com deputados e representantes do Tribunal de Justiça, Ministério Público do Paraná e Tribunal de Contas do Estado, o governo informou que a taxa de transmissão do vírus no estado está em 1,3, ou seja, dez pessoas com Covid-19 transmitem o coronavírus para outras 13 pessoas, em média.

Segundo o boletim divulgado pela Secretaria Estadual da Saúde (Sesa) na segunda-feira (29), o Paraná tem 21 mil casos confirmados de Covid-19 e 600 mortes registradas. Com os dados atuais desta terça, o número passou para 636 óbitos e 22.623 casos confirmados em várias cidades do estado.

O ex-governador Roberto Requião (MDB-PR), um dos críticos do atual governador, não perdoou a falta de clareza de Ratinho. Nas redes sociais, o emedebista tentou traduzir o anúncio ironizando o ocupante do Palácio Iguaçu:

“*Decreto de Lockdown do Paraná 001/2020*

_*Art. 1º* Autoriza os prefeitos do Paraná a decretarem lockdown, se quiserem_

_*Art. 2º* Tem que fechar, tudo mas se não quiser, não precisa_

_*Art. 3º* Ficam excluidos deste decreto de lockdown shoppings, indústrias, bares, restaurantes, comércio de rua, pesque pagues, puteiros, botecos e CTGs_

_*Art. 4º* Pescarias são permitidas._

_§ 1º Pescaria permitida sem máscara em propriedade do governador_

_Curitiba, 30 de Junho de 2020_

_Ratinho Junior_
_Governador do Paraná_

RATO COM ALTA CAPACIDADE DE DECISÃO!”

LEIA TAMBÉM

Ratinho vai decretar ‘lockdown’ no Paraná a partir de quarta-feira

O governador do Paraná, Ratinho Junior (PSD), vai decretar ‘lockdown’ no Paraná a partir desta quarta-feira, 1º de julho. A informação é do jornalista Marc Sousa, do portal Ric Mais.

Ratinho convocou uma reunião para a manhã desta terça-feira (30) para anunciar essas novas medidas restritivas nas cidades mais atingidas pelo novo coronavírus.

O ‘lockdown’ terá duração de 14 dias e poderá abranger as seguintes cidades paranaenses, que têm o maior número de casos e mortes:

  • Curitiba: 3.874 diagnósticos e 139 mortes;
  • Cascavel: 2.601 casos e 44 mortes;
  • Londrina: 1.359 casos e 73 mortes;
  • Maringá: 1.148 diagnósticos e 16 mortes;
  • Toledo: 656 casos e 9 mortes;
  • Cianorte: 440 diagnósticos e 4 mortes;
  • Pinhais: 374 casos e 9 mortes;
  • Foz do Iguaçu: 358 casos e 8 mortes;
  • Cornélio Procópio: 248 casos e 14 mortes;
  • Colombo: 292 casos e 10 mortes;
  • Piraquara: 280 diagnósticos e 11 mortes.

O Paraná tem 21.326 casos confirmados e 613 mortes confirmadas nesta segunda-feira, dia 29, segundo a Secretaria de Estado da Saúde.

Neste sexta-feira (26), o Ministério Público do Paraná pediu para que o judiciário decretasse o ‘lockdown’ nas localidades mais atingidas pela Covid-19.

A ação civil pública foi ajuizada conjuntamente pelas promotorias de Proteção à Saúde Pública dessas quatro regiões, afirmou a promotora de Saúde de Londrina, Susana de Lacerda.

A iniciativa de pedir o lockdown no Paraná partiu de procuradores de Justiça do MP em Londrina, Norte do estado.

O MP londrinense pede ainda ao judiciário que anule o decreto do governador Ratinho Junior (PSD), que, recentemente, autoriza a reabertura de alguns setores não essenciais da economia.

No último dia 19 de junho, o governador do Paraná delegou aos municípios a prerrogativa para abrir ou fechar o comércio, porém, fez algumas “recomendações” aos 399 prefeitos.

“Enquanto o discurso e orientação normativa não se atrelarem a medidas práticas garantidoras de distanciamento e de isolamento social, os índices de pacientes diagnosticados e de óbito somente irão aumentar”, diz a peça do MP, referindo-se ao aumento da taxa de ocupação de leitos de UTI adulto para Covid-19 no estado.

Lockdown é uma medida de bloqueio total que, em geral, inclui também o fechamento de vias e proíbe deslocamentos e viagens não essenciais.

Em maio passado, a Justiça do Maranhão decidiu impor um “lockdown” na capital São Luís, proibindo a circulação de pessoas, a não ser que ela se desse, por exemplo, para compra de alimentos, transporte de doentes ou realização de serviços de segurança.

Em nota, governo do Paraná jura que não é ‘lockdown’

O Governo do Paraná informa que está elaborando uma série de medidas para conter o avanço da Covid-19.

As medidas estão sendo discutidas em diversas instâncias do Executivo e serão apresentadas aos demais poderes do Estado.

A previsão é de que haja ampla divulgação das decisões nesta terça-feira (30).

O Governo do Estado antecipa que, diferente do que foi noticiado, não se trata de impor um lockdown em todo o Paraná.

Com informações do G1/Agência Estadual de Notícias