PSOL pede investigação e convocação de Sérgio Camargo após fala de “escória maldita”

A bancada do PSOL na Câmara dos Deputados apresentou nesta quarta-feira (3) um pedido para que o Ministério Público Federal (MPF) instaure inquérito para investigar a fala do presidente da Fundação Palmares, Sérgio Camargo, em que ele classifica o movimento negro como “escória maldita”.

Na mesma reunião que teve o áudio divulgado na última terça-feira (2), o presidente da Fundação Palmares criticou Zumbi dos Palmares, líder quilombola que dá nome à entidade, a quem se referiu como “um filho da puta que escravizava pretos”. Em outro momento, chamou uma mãe de santo de “macumbeira” e disse que não direcionaria verbas a terreiros, os templos das religiões de matriz afro-brasileira.

LEIA TAMBÉM:
Projeto classifica como terroristas os movimentos antifascistas, enquanto presidente de fundação xinga negros

Paim aponta omissão do Estado brasileiro na defesa da população negra

Papa Francisco condena racismo e violência nos EUA e pede reconciliação nacional

O pedido de abertura de inquérito leva a assinatura de parlamentares do PT, PDT e PSB também, além do PSOL. Um grupo de deputados negros destes partidos encabeça a representação, como Talíria Petrone, Áurea Carolina e David Miranda do PSOL, além de Benedita da Silva (PT), Orlando Silva (PCdoB), Bira do Pindaré (PSB) e Damião Feliciano (PDT).

Além da representação ao MPF, o PSOL também protocolou um requerimento para que Sérgio Camargo preste esclarecimentos em sessão do plenário da Câmara dos Deputados sobre as declarações reveladas nesta semana e que mostram mais uma vez a incapacidade de Camargo permanecer no cargo.

A informação é do PSOL.