Rodrigo Janot

Pedidos de seguro-desemprego disparam 35% na primeira quinzena de junho

Antes mesmo da pandemia de coronavírus, na virada do ano, a Organização Internacional do Trabalho (OIT) previa o Brasil como o país com mais número de desempregados no mundo. Esse triste título era conquistado pelo governo Jair Bolsonaro e Paulo Guedes, por sua política neoliberal, traduzida pelas reformas da previdência e aprofundamento da reforma trabalhista iniciada ainda no governo Michel Temer.

Dito isso, os pedidos de seguro-desemprego de trabalhadores com carteira assinada subiram 35% na primeira quinzena de junho em relação ao mesmo período do ano passado. O levantamento foi divulgado hoje (25) pela Secretaria de Trabalho do Ministério da Economia e considera os atendimentos presenciais – nas unidades do Sistema Nacional de Emprego (Sine) e das Superintendências Regionais do Trabalho – e os requerimentos virtuais.

Na primeira metade do mês, 351.315 benefícios de seguro-desemprego foram requeridos, contra 260.228 pedidos registrados no mesmo período do ano passado. Ao todo, 71,4% dos benefícios foram pedidos pela internet no mês passado, contra apenas 0,7% no mesmo período de 2019.

LEIA TAMBÉM

  • Nuvem de gafanhotos: Ministério da Agricultura declara emergência fitossanitária no RS e SC
  • Ciro Gomes é cobrado pela privatização da água, responde, mas não convence
  • Le Monde conta como o Brasil “embranqueceu” suas personalidades negras, como Machado de Assis
  • Novo ministro da Educação aprovou licitação de 30 mil computadores para escola com 255 alunos
  • Exército está desmontando a engrenagem do SUS, acusa ex-gestor do Ministério da Saúde
  • Número acumulado
    Apesar da alta em junho, os pedidos de seguro-desemprego cresceram em ritmo menor no acumulado do ano, tendo somado 3.648.762 de 2 janeiro a 15 de junho de 2020. O total representa aumento de 14,2% em relação ao acumulado no mesmo período do ano passado, 3.194.122.

    No acumulado do ano, 52,2% dos requerimentos de seguro-desemprego (1.903.921) foram pedidos pela internet, pelo portal gov.br e pelo aplicativo da carteira de trabalho digital; 47,8% dos benefícios (1.744.841) foram pedidos presencialmente. No mesmo período do ano passado, 98,5% dos requerimentos (3.147.751) tinham sido pedidos nos postos do Sine e nas superintendências regionais e apenas 1,5% (46.371) tinha sido solicitado pela internet.

    Embora os requerimentos possam ser feitos de forma 100% digital e sem espera para a concessão do benefício, o Ministério da Economia informou que os dados indicam que muitos trabalhadores continuam aguardando a reabertura dos postos do Sine, administrados pelos estados e pelos municípios, para darem entrada nos pedidos. O empregado demitido ou que pediu demissão tem até 120 dias depois da baixa na carteira de trabalho para dar entrada no seguro-desemprego.

    Perfil
    Em relação ao perfil dos requerentes do seguro-desemprego na primeira quinzena de junho, a maioria é masculina (60,2%). A faixa etária com maior número de solicitantes está entre 30 e 39 anos (32%) e, quanto à escolaridade, 60,4% têm ensino médio completo. Em relação aos setores econômicos, serviços representou 41,7% dos requerimentos, seguido por comércio (25,3%), indústria (19,3%) e construção (9,8%).

    Os estados com o maior número de pedidos foram São Paulo (109.278), Minas Gerais (37.130) e Rio de Janeiro (28.507) e os que tiveram maior proporção de requerimentos via web foram Acre (98,1%), Amapá (95,2%) e Alagoas (92,2%).

    Com informações da Agência Brasil