Papa Francisco condena racismo e violência nos EUA e pede reconciliação nacional

O papa Francisco quebrou seu silêncio nesta quarta-feira (3) sobre os protestos nos Estados Unidos, dizendo que ninguém pode “fechar os olhos ao racismo e à exclusão”, ao mesmo tempo que condenou a violência como “autodestrutiva e derrotista”.

“Queridos amigos, não podemos tolerar nem fechar os olhos para qualquer tipo de racismo ou de exclusão e pretender defender a sacralidade de cada vida humana. Ao mesmo tempo, devemos reconhecer que a violência das últimas noites é autodestrutiva e autolesionista. Nada se ganha com a violência e muito se perde”, disse.

LEIA TAMBÉM:
Projeto classifica como terroristas os movimentos antifascistas, enquanto presidente de fundação xinga negros

Crescem movimentos populares contra racismo e fascismo, avalia Humberto Costa

Bolsonaristas fazem manifestação contra a esquerda em Curitiba

Francisco, que dedicou toda a seção em inglês de sua audiência pública semanal à situação nos EUA, implorou a Deus pela reconciliação nacional e pela paz. Ele chamou a morte de George Floyd de trágica e disse estar orando por ele e por todos aqueles que foram mortos como resultado do “pecado do racismo”.

Com informações da Agência Reuters.