Oposição solicita troca de relator do pedido de cassação de Eduardo Bolsonaro no Conselho de Ética da Câmara

Publicado em 29 junho, 2020

Parlamentares do PSOL, PT e PCdoB enviaram um ofício ao presidente do Conselho de Ética da Câmara dos Deputados, Juscelino Filho (DEM-MA), solicitando que o relator do pedido de cassação do mandato de Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), filho do presidente Jair Bolsonaro (sem partido), seja trocado. A oposição alega suspeição.

O deputado Igor Timo (Podemos-MG) gravou um vídeo com Bolsonaro agradecendo o presidente por ter repassado verbas para seu estado. A operação faz parte da compra de parlamentares do “Centrão” para impedir que o processo de impeachment e outras ações contra membros do “núcleo duro” do governo avancem no Congresso Nacional.

O texto redigido pela oposição diz que a postura de Timo “compromete a credibilidade do presente Conselho de Ética e Decoro Parlamentar da Câmara dos Deputados, tornando o seu parecer preliminar acerca do caso tratado em tela com conteúdo previsível e potencialmente viciado, visto a proximidade que o mesmo adquiriu perante o genitor do deputado federal representado”.

LEIA TAMBÉM:
Deputado petista solicita informações sobre contratos entre governo Bolsonaro e SBT

Lava Jato agiu nas sombras para tirar Requião do Senado, diz site

Novo ministro da falta de Educação deve cair antes de assumir

O pedido de cassação está parado no conselho desde 2019. “Eduardo Bolsonaro ameaçou o povo brasileiro com o ato mais violento e sombrio da ditadura: o AI-5. A publicação de vídeos elogiosos e que mostram proximidade política e pessoal demonstram que não há a imparcialidade necessária ao relator Igor”, afirmou a líder da bancada do PSOL, Fernanda Melchionna.

Em conversa com a jornalista Leda Nagle, em outubro de 2019, Eduardo Bolsonaro disse que, se o Brasil tivesse protestos como os que ocorriam na época no Chile, chegaria um momento igual ao do final dos anos 1960, quando houve sequestros de aviões e autoridades durante a ditadura militar.

“Se a esquerda radicalizar a esse ponto, a gente vai precisar ter uma resposta. E a resposta, ela pode ser via um novo AI-5, via uma legislação aprovada através de um plebiscito, como ocorreu na Itália. Alguma resposta vai ter que ser dada”, afirmou o filho 02 à época, fazendo referência ao ato institucional que determinou o fechamento do Congresso e a suspensão da garantia de habeas corpus no país.

Assista ao vídeo de Timo com Bolsonaro:


Com informações do PSOL.