Notícias ao vivo do Coronavírus: Doria afrouxa geral em São Paulo

O governador de São Paulo, João Doria (PSDB), não só não entregou a vacina contra o coronavírus que prometera numa coletiva em 11 de junho como também, agora, afrouxou geral no distanciamento social para conter a pandemia. O tucano autorizou na capital a reabertura de restaurantes, bares, barbearias e salões de beleza a partir do dia 6 de julho.

Pois bem, na coletiva desta sexta-feira (26), além de liberar com algumas restrições os setores acima, Doria ainda ampliou o horário de funcionamento do comércio de rua, de shoppings centers e de escritórios. O afrouxamento também vale para a região do ABC e o sudoeste da Grande São Paulo, que inclui cidades como Itapecerica da Serra e Embu das Artes.

O prefeito de São Paulo, Bruno Covas (PSDB), no entanto, disse que irá aguardar mais uma semana para acompanhar a evolução do coronavírus na cidade. Ele tinha programado a reabertura na capital no dia 29 de junho, ou seja, na próxima segunda-feira.

Se Doria afrouxou na capital e no ABC, por outro lado, apertou o cerco ao coronavírus com restrições mais severas ao funcionamento do comércio em nove áreas onde apenas serviços essenciais estão autorizados: Araraquara, Franca, Araçatuba, Presidente Prudente, Marília, Bauru, Sorocaba, Registro e Piracicaba.

O governador tucano liberou para a região de Barretos o comércio de rua, shoppings e escritórios, mas ainda não restaurantes ou salões de beleza.

São Paulo tem 258.508 novos casos confirmados de covid-19. Foram mais 9.921 casos nas últimas 24 horas, segundo o secretário estadual da saúde, José Henrique Germann. O total de mortes passou de 13.759, registrados até esta quinta, para 13.966 nesta sexta-feira, um aumento de 207 mortes em 24 horas.

Assista ao vídeo:

LEIA TAMBÉM

Lisboa volta a adotar medidas de lockdown para conter avanço da Covid-19

Portugal volta a implementar medidas de lockdown em diversas regiões da grande Lisboa a partir de 1° de julho para conter nova onda de infecções pela Covid-19. A decisão foi anunciada nesta quinta-feira (25), dois dias após a própria capital ter implementado medidas mais restritivas de funcionamento para estabelecimentos comerciais.

A medida estará em vigor de 1º a 14 de julho, quando será revisada, de acordo com documento do governo. Nas 19 áreas definidas, haverá limite de até cinco pessoas para reuniões, de dez na grande Lisboa e de 20 no resto do país.

Pessoas que vivem em áreas afetadas da capital – que representam um total de 19 regiões que não incluem o centro de Lisboa – poderão deixar suas casas apenas para comprar produtos essenciais, como alimentos e medicamentos, e para se deslocarem ao trabalho. “A única forma eficiente de controlar a pandemia é ficar em casa sempre que possível, manter o distanciamento social a todo tempo e manter os padrões de proteção e higiene”, disse o primeiro-ministro, Antonio Costa.

Com 40.415 casos de infecções e 1.549 mortes pelo novo coronavírus, Portugal é considerado caso de sucesso na luta contra doença. O país começou a suspender as medidas de lockdown em 4 de maio.

*Com informações da Reuters