MPF denuncia Sara Winter por ameaça e injúria a Alexandre de Moraes

O Ministério Público Federal (MPF) denunciou nesta quarta-feira (17) a extremista Sara Giromini, conhecida como Sara Winter, pelos crimes de injúria e ameaça contra o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Alexandre de Moraes.

Depois de ser alvo do inquérito do STF que investiga a produção e distribuição de fake news no país, Sara fez vídeos ameaçando colocar seus seguidores para perseguir o ministro e disse que queria “trocar socos” com ele.

“Eles não vão me calar. De maneira nenhuma. Pelo contrário. Eu sou uma pessoa extremamente resiliente. Pena que ele mora em São Paulo. Se estivesse aqui, eu tava na porta da casa dele, convidando ele para trocar soco comigo. Juro por Deus, eu queria trocar soco com esse filho da puta desse arrombado. Infelizmente eu não posso. Mas eu queria. Ele mora lá em São Paulo, né? Você me aguarde, Alexandre de Moraes. O senhor nunca mais vai ter paz na vida do senhor”, afirmou em um dos vídeos.

LEIA TAMBÉM:
Bolsonaro rompe silêncio, após apoiadores serem alvos da PF

No Bolso: Alexandre de Moraes quer dados da monetização de blogs bolsonaristas

Juristas pela Democracia acionam STF contra o discurso de ódio bolsonarista

Se condenada, Sara terá que indenizar Moraes em até 10 mil reais. O MPF, no entanto, não acatou o pedido do ministro de enquadrá-la na Lei de Segurança Nacional. De acordo com o procurador da República Frederick Lustosa, Sara “não impediu de fato o livre exercício da judicatura do ministro, nem da Suprema Corte de maneira geral” e não havia razão para o enquadramento.

Organizadora do grupo de extrema-direita 300 do Brasil, que defende o bolsonarismo, Sara foi presa temporariamente pela Polícia Federal (PF) na última segunda-feira, dentro de outro inquérito, o que investiga o financiamento de atos com cunho antidemocrático.

Com informações da Reuters.