Morre Carlos Lessa, economista e ex-presidente do BNDES, de Covid-19

O economista Carlos Lessa morreu na manhã desta sexta-feira (05), no Rio de Janeiro, aos 83 anos, em decorrência da Covid-19. Ele estava internado no Hospital Copa Star, por uma pneumonia causada pelo coronavírus. A morte foi confirmada pelo seu filho, Rodrigo Lessa.

“Meu amado pai foi hoje às 5h da manhã descansar. A tristeza é enorme. Seu último ano de vida foi de muito sofrimento e provação. O legado que ele deixou não foi pequeno. Foi um exemplo de amor incondicional pelo Brasil, coerência e honestidade intelectual, espírito público, um professor como poucos e uma alma generosa que sempre ajudou a todos que podia quando estava a seu alcance, um grande amigo . Que descanse em paz. Aos que tem afeição por ele, comunicaremos uma cerimônia virtual em função da pandemia”, publicou.

Ele foi presidente do Banco Nacional de Desenvolvimento (BNDES) no governo Lula. Lessa comandou a instituição até novembro de 2004, quando Guido Mantega, então ministro do Planejamento, assumiu o posto.

LEIA TAMBÉM:

Petistas cobram demissão de Sérgio Camargo da Fundação Palmares

Bolsonaro diz que manifestantes pró-democracia são ‘marginais, terroristas, desocupados e maconheiros’

Abatido, Weintraub vai deixar a Educação para disputar a Prefeitura de São Paulo

Lessa se notabilizou por sua forte posição em defesa da presença estatal no desenvolvimento econômico do país. O economista, político e intelectual era alinhado com as ideias do nacional-desenvolvimentismo.

O ex-senador Roberto Requião (MDB-PR), presidente da Frente Ampla Pela Soberania, pelo Twitter, lamentou a morte do amigo.

“Me vem lágrimas aos olhos, faleceu o grande amigo, brasileiro extraordinário, patriota incomparável, CARLOS LESSA”, soluçou o velho emedebista.