Ministro anuncia em rede social novas parcelas do auxílio emergencial, mas depois apaga publicação

O ministro da Secretaria de Governo, general Luiz Eduardo Ramos, usou o Twitter nesta quinta-feira (25) para afirmar que o Executivo deve propor a prorrogação do auxílio emergencial por três meses, em valores escalonados.

“O governo vai pagar três parcelas adicionais (de R$ 500, R$ 400 e R$ 300) do auxílio emergencial. A proposta faria o benefício chegar neste ano a pelo menos R$ 229,5 bilhões. Isso é 53% de toda a transferência de renda já feita no programa Bolsa Família desde o seu início, em 2004”, escreveu o ministro na rede social.

Minutos depois, no entanto, Ramos apagou a publicação.

Ao ser questionada, a assessoria do ministro afirmou que o tuíte foi publicado por engano e que o assunto ainda está em discussão. A postagem foi feita horas antes de uma reunião com o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) e outros ministros, onde será debatido um novo valor das parcelas adicionais da ajuda aos brasileiros adotada em razão da pandemia da Covid-19.

LEIA TAMBÉM:
Símbolo de trabalho precarizado na pandemia, entregadores de aplicativos deflagram greve no dia 1º

PTB apresenta notícia-crime na PGR contra Alexandre Moraes por abuso de autoridade

Molon solicita informações de Heleno sobre compartilhamento de dados das carteiras de motorista

O ministro da Economia, Paulo Guedes, vem trabalhando por valores inferiores aos divulgados por Ramos. Em 9 de junho, ele disse que o Executivo planeja pagar mais duas parcelas do auxílio, no valor de R$ 300 cada uma.

O próprio presidente Bolsonaro chegou a defender, poucos dias depois, o valor, e disse que vetaria qualquer ação do Legislativo para aumentá-los.

Com informações da Folha.