Juiz rejeita censura de Trump para livro de ex-assessor John Bolton

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, perdeu o primeiro round ao ver negado o pedido para censurar o livro “A sala onde aconteceu”, de autoria do seu ex-conselheiro de segurança nacional do presidente John R. Bolton.

O juiz federal Royce C. Lamberth, do Tribunal do Distrito Federal de Columbia, decidiu que “com centenas de milhares de cópias em todo o mundo – muitas nas redações -, o estrago está feito. Não há como restaurar o status quo”.

Na prática, o juiz Lamberth também sugeriu que Bolton pode perder seu adiantamento de US$ 2 milhões para publicar o livro de memórias.

“Bolton jogou com a segurança nacional dos Estados Unidos”, escreveu o juiz Lamberth. “Ele expôs seu país a danos e a si próprio a responsabilidade civil (e potencialmente criminosa). Mas esses fatos não controlam a moção perante o tribunal. O governo não conseguiu estabelecer que uma liminar impediria danos irreparáveis.”

Os principais elementos do livro, “A sala onde aconteceu”, um relato pouco lisonjeiro da conduta de Trump no cargo, já foram amplamente divulgados pela imprensa de todo o mundo.

Trump acusou Bolton de mentir – e de disseminar informações. O presidente também deixou claro que deseja que o Departamento de Justiça processe seu ex-assessor por divulgar segredos, posição que reiterou neste sábado (20).

O presidente escreveu no Twitter que Bolton “infringiu a lei ao divulgar segredos de Estado (em grandes quantidades). Ele deve pagar um preço muito alto por isso, como outros têm à sua frente. Isso nunca deve acontecer novamente!!! ”

Mesmo diante da fúria de Trump, Bolton venceu o primeiro round ao derrotar o pedido do Departamento de Justiça de uma ordem para impedir maior divulgação de seu livro. O departamento também alegou que esse pedido poderia vincular seu editor, Simon & Schuster, e livrarias que já possuem cópias. O livro estará à venda na próxima semana.

Em uma declaração, Charles J. Cooper, advogado de Bolton, elogiou a decisão do juiz Lamberth, mas se opôs à forte sugestão do juiz de que seu cliente havia violado seu acordo ou publicado segredos de Estado.

Em meio à discussão da censura ao livro, os Estados Unidos ficaram alarmados com a possibilidade de a Constituição americana ser violada. A Suprema Corte decidiu que a Primeira Emenda raramente permite ao governo impedir as pessoas de imprimir informações. Várias organizações de notícias, incluindo o The New York Times, estavam entre pessoas de fora que enviaram documentos pedindo ao juiz Lamberth que rejeitasse o pedido.

E foi assim que Trump foi derrotado em sua tentativa de censura, segundo o New York Times.

LEIA TAMBÉM