Joice Hasselmann deixa a liderança do PSL na Câmara

A deputada federal Joice Hasselmann (PSL-SP), pelo Instagram, confirmou nesta quinta-feira (4) que deixará a liderança do PSL na Câmara.

A parlamentar disse, no entanto, que não há uma data definida para deixar o cargo de líder do partido no legislativo.

Segundo ela, ao deixar a liderança do PSL, vai assumir a Secretaria de Comunicação da Câmara. “Assim também poderei me dedicar aos demais projetos”.

Na saída da liderança do PSL, Joice afirmou que tem novos desafios à frente. Ela fez a seguinte declaração a respeito:

“Quando assumi, ficou certo que eu deixaria a liderança em 31 de maio. Parte do grupo queria que eu ficasse e outra parte que a fila andasse e fizemos reunião ontem (3) para decidir isso. Tenho que fazer minha campanha para prefeitura de São Paulo, sou presidente do PSL municipal na cidade, vice-presidente estadual e vou assumir a Secom na Câmara. É muita coisa”, justificou.

O novo líder do PSL na Câmara será o deputado Felipe Franchischi (PSL-PR), que é presidente da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ).

Nas redes sociais, o “gabinete do ódio” fez festa com a mudança na liderança do PSL.

LEIA TAMBÉM

Delação de Tacla Duran pode mostrar que Lava Jato era ‘fábrica de dinheiro’, diz professor

Wanderlei Silva é atropelado 1 dia após participar de manifestação contra a esquerda

Por ordem de Bolsonaro, deputado e Sara Winter ignoram depoimento à PF

PGR vai investigar mensagens de Carla Zambelli a Sérgio Moro

O procurador-geral da República, Augusto Aras, determinou a abertura de uma apuração preliminar para verificar eventuais indícios de crime nas mensagens enviadas pela deputada federal Carla Zambelli (PSL-SP) ao ex-ministro da Justiça Sérgio Moro.

A medida foi tomada em razão de uma notícia-crime apresentada ao Supremo Tribunal Federal (STF) por deputados do PT. Os parlamentares acusam Carla Zambelli de ter cometido advocacia administrativa e tráfico de influência.

As mensagens trocadas entre Carla Zambelli e Sergio Moro foram incluídas no inquérito que apura se o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) tentou interferir na Polícia Federal (PF).

Nas mensagens, Carla Zambelli pedia que Sérgio Moro aceitasse a substituição do chefe da PF em troca de uma vaga no Supremo.