Humberto Costa pede apuração de uso de cota parlamentar em atos antidemocráticos

O senador Humberto Costa (PT-PE) defendeu, em pronunciamento nesta terça-feira (23), a investigação, pelo Congresso Nacional, dos parlamentares ligados ao presidente da República, Jair Bolsonaro (sem partido), que teriam usado a cota a que têm direito para financiar atos antidemocráticos.

Segundo o senador, esse é um dos desdobramentos das apurações decorrentes do inquérito instaurado no Supremo Tribunal Federal (STF) para identificar os responsáveis por financiar, produzir e divulgar, nas redes sociais, material ofensivo à Corte e a seus ministros, favorável ao fechamento do Congresso Nacional e com conteúdo golpista.

“Se essas atribuições que lhes são imputadas forem verdadeiras, precisam ser efetivamente cassados e afastados do Parlamento brasileiro. E também processados pela utilização inadequada de dinheiro público, para a produção desses atos que vão diretamente contra a nossa democracia”, disse.

LEIA TAMBÉM:
Notícias ao vivo do Coronavírus: 52.649 mortes e 1.145.906 casos no Brasil em 23/06

Era só o que faltava: Além de Bolsonaro e da Covid-19, nuvem de gafanhotos se aproxima do Brasil; veja

Maia sobre Weintraub: “É a primeira vez que um exilado tem apoio do governo”; assista

Humberto Costa observou que o inquérito no STF avança a passos largos e, além dos parlamentares que abandonaram a essência de um mandato eletivo, já identificou uma associação criminosa financiada por empresários e formada por blogueiros que ganham dinheiro com a postagem de vídeos favoráveis a um regime autoritário, altos funcionários comissionados do governo que ajudam a produzir manifestações e organizações paramilitares armadas, defensoras de um golpe militar.

“O Brasil mergulhado nessa pandemia. Mais de 50 mil mortos, mais de 1 milhão e 100 mil pessoas infectadas com o coronavírus. Enquanto isso, o governo Bolsonaro completamente paralisado, apenas se preocupando em construir a sua defesa para o rol de crimes de que é acusado, entre eles o de obstrução de justiça pelo ato de esconder o senhor Fabrício Queiroz, que foi, ao que tudo indica, o chefe de uma organização criminosa que funcionou no Rio de Janeiro, no gabinete no então deputado estadual Flávio Bolsonaro, filho do presidente, dentro do processo conhecido por ‘rachadinha’”, acrescentou.

Assista ao pronunciamento do senador Humberto Costa:


Com informações da Agência Senado.