Hospital Albert Einstein proíbe uso da cloroquina para tratar Covid-19

Os médicos do Hospital Albert Einstein estão proibidos de prescreverem a cloroquina para o tratamento da Covid-19. A informação foi divulgada pela direção do hospital.

O Albert Einstein afirmou não tinha protocolo para o uso do medicamento, mas que os médicos o receitavam em modo “off label”, ou seja, indicando-o fora da bula. Isso dependia da relação entre médico e paciente, mas agora não será mais permitido.

“O uso off label de um medicamento é feito por conta e risco do médico que o prescreve, e pode eventualmente vir a caracterizar um erro médico, mas em grande parte das vezes trata-se de uso essencialmente correto, apenas ainda não aprovado”, aponta a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

LEIA TAMBÉM:

Paulo Guedes diz que Bolsonaro ‘faz bondade com chapéu alheio’ ao inaugurar transposição no Velho Chico

Já não basta Bolsonaro, coronavírus, gafanhotos; Godzilla, uma nuvem de poeira, a nova ameaça ao Brasil

Universidade da Argentina desmente doutorado do novo ministro da Educação

O Conselho Nacional de Saúde, em maio, solicitou a suspensão das orientações do Ministério da Saúde que recomendam o uso da cloroquina para pacientes com Covid-19 que apresentem sintomas leves, pois não existe eficácia comprovada do medicamento para a doença.

De acordo com uma pesquisa publicada na revista “The Lancet”, que analistou amostras de 96 mil pacientes, a cloroquina e a hidroxicloroquina não apresentam benefícios no tratamento da Covid-19. Pelo contrário, apresenta um maior risco de morte do paciente, e piora cardíaca.