Homens carecas são mais vulneráveis à Covid-19, diz jornal britânico

O jornal britânico The Telegraph, citando pesquisas, afirma que homens carecas com maior risco de casos graves de Covid-19. De acordo com a publicação, os estudos sugeriram que a calvície deve ser considerada um fator de risco, apelidado de ‘sinal de Gabrin’.

De acordo com dados da Sociedade Brasileira do Cabelo (SBC), no Brasil, existem 42 milhões pessoas com calvície. O número é considerado tão expressivo, que os “carecas” ganharam um dia só deles. O Dia dos Carecas é celebrado no dia 14 de março.

O vínculo entre calvície e doença ficou bastante forte após o primeiro médico norte-americano a morrer de Covid-19 nos Estados Unidos, o Dr. Frank Gabrin, que era careca.

O principal autor do estudo por trás da associação, o professor Carlos Wambier, da Brown University, disse ao The Telegraph: “Nós realmente pensamos que a calvície é um preditor perfeito de gravidade”.

Dados desde o início do surto em Wuhan, na China, em janeiro, mostraram que os homens têm maior probabilidade de morrer depois de receber coronavírus. No Reino Unido, um relatório divulgado esta semana pela Public Health England descobriu que homens em idade ativa têm duas vezes mais chances de morrer do que mulheres após serem diagnosticados com Covid-19.

Até recentemente, os cientistas não sabiam o porquê disso, apontando fatores como estilo de vida, tabagismo e diferenças no sistema imunológico entre os sexos . Mas cada vez mais eles acreditam que isso pode acontecer porque os andrógenos – hormônios sexuais masculinos como a testosterona – podem ter um papel não apenas na perda de cabelo, mas também no aumento da capacidade do coronavírus de atacar células.

Isso aumenta a possibilidade de tratamentos que suprimem esses hormônios, como os usados ​​para calvície e doenças como câncer de próstata, possam ser usados ​​para diminuir a velocidade do vírus, dando tempo aos pacientes para combatê-lo.

“Acreditamos que andrógenos ou hormônios masculinos são definitivamente a porta de entrada do vírus em nossas células”, disse o professor Wambier.

Além do estudo em discussão sobre o uso de medicamentos para calvície nos EUA, outro estudo foi lançado por Matthew Rettig, oncologista da UC Los Angeles, em 200 veteranos em Los Angeles, Seattle e Nova York, usando medicamentos para câncer de próstata.

Os ensaios seguem dois pequenos estudos na Espanha, liderados pelo professor Wambier, que descobriram que um número desproporcionalmente alto de homens com calvície masculina foi admitido no hospital com Covid-19.

LEIA TAMBÉM

Bolsonaro ameaça retirar Brasil da OMS

Prefeito de Curitiba surta contra velhos e deficientes durante uma live sobre Covid-19

Witzel libera geral no Rio: futebol, bares, restaurantes e shoppings

Plantão da Globo: Brasil tem 35.206 mortes e 645.771 casos de coronavírus

Em um estudo, 79% dos homens que sofriam com Covid-19 em três hospitais de Madri eram carecas. O estudo de 122 pacientes, publicado no Jornal da Academia Americana de Dermatologia, seguiu um trabalho anterior entre 41 pacientes em hospitais espanhóis, que descobriram que 71% eram carecas. A taxa de calvície em homens brancos de idade semelhante aos pacientes estudados está entre 31 e 53%. Uma correlação semelhante foi encontrada no estudo entre o menor número de mulheres com perda de cabelo ligada a andrógenos.

Outros cientistas disseram que mais trabalho precisava ser feito, mas estavam entusiasmados com o potencial vínculo.

“Todo mundo está buscando um elo entre os andrógenos … e o resultado do Covid-19”, disse Howard Soule, vice-presidente executivo da Prostate Cancer Foundation, à Science Magazine.

Os especialistas em câncer de próstata estão familiarizados com o papel que os andrógenos podem desempenhar na doença porque, na próstata, os hormônios estimulam uma enzima que estimula o crescimento do câncer. Em abril, os pesquisadores publicaram um artigo na revista Cell que mostrou que a enzima TMPRSS2 também está envolvida em infecções por coronavírus.

Para infectar uma célula, os coronavírus – incluindo o novo SARS-CoV-2, que causa o Covid-19 – usam o que é chamado de proteína ‘spike’ que se liga à membrana da célula, um processo que é ativado por uma enzima. Nesse caso, parece que o TMPRSS2 pode ser essa enzima.

Os cientistas ainda não sabem se a enzima responde da mesma maneira aos andrógenos nos pulmões e na próstata, mas outras evidências parecem apoiar o potencial vínculo.

Um estudo realizado em Veneto, Itália, com 9.280 pacientes, constatou que homens com câncer de próstata em terapia de privação de andrógenos – medicamentos que reduzem os níveis de testosterona – tinham apenas um quarto da probabilidade de contrair o Covid-19 do que homens com a doença que estavam em outro tratamentos.

Karen Stalbow, diretora de políticas da Prostate Cancer UK, disse: “Houve várias pesquisas recentes que indicam que pode haver uma ligação entre hormônios masculinos e aumento do risco de Covid-19. Isso levou alguns pesquisadores a investigar se as terapias hormonais comumente usadas para tratar o câncer de próstata, como a enzalutamida, poderiam reduzir esse risco.

“No entanto, a maior parte da pesquisa até agora foi realizada em laboratório, e há evidências conflitantes sobre se as terapias hormonais têm o mesmo impacto nos pulmões que teriam nas células da próstata. Atualmente, existem vários estudos clínicos iniciados que esperam abordar esses problemas, mas são necessárias muito mais evidências antes que possamos saber se essas terapias hormonais seriam um tratamento eficaz para o Covid-19.”

As informações são do jornal britânico The Telegraph, com acréscimos do Blog do Esmael