Governo suspendeu multa de R$ 27 milhões a consórcio com empresa da ex-mulher de Frederick Wassef

O governo federal suspendeu uma multa de R$ 27 milhões de um consórcio de empresas que tem como um de seus membros a Globalweb Outsourcing, cuja fundadora e presidente do conselho administrativo é Cristina Boner, ex-mulher de Frederick Wassef, advogado que trabalha para a família de Bolsonaro. A informação é do jornal O Globo.

Contratado em 2014 por R$ 17 milhões para estruturar um sistema tecnológico para Empresa de Tecnologia e Informações da Previdência (Dataprev), o consócio MG2I não entregou no prazo o serviço prometido.

LEIA TAMBÉM:
OAB abre processo contra Wassef, ex-advogado da família Bolsonaro

WhatsApp é derrotado por bancos, que pedem proteção do Estado

Senado aprova MP que reduz contribuições das empresas ao Sistema S, que mantém farra com dinheiro público

Em um documento obtido pelo O Globo, a Dataprev chegou a fazer um relato do atraso e divulgou ao consórcio que havia decidido “rescindir o contrato unilateralmente” devido ao descumprimento contratual. Além da multa, o texto também dizia que ficava suspenso “o direito de licitar e de contratar de todas as empresas participantes deste consórcio.”

Em março do ano passado, o Diário Oficial da União (DOU) informou que a Dataprev e o consórcio “acordam pela suspensão de comunicação de rescisão e da aplicação de sanções contratuais previstas na CE/DGFC nº 428/2018”, prorrogando o contrato até o próximo mês de outubro.

Ao jornal, a Dataprev – que hoje é vinculada ao Ministério da Economia – afirmou que o caso ainda está em análise e negou qualquer tipo de interferência política na suspensão da multa.