Rede Globo faz respiração boca a boca nos cadáveres FHC, Ciro e Marina, diz Emir Sader

O sociólogo Emir Sader não perdoou a tentativa da Rede Globo, em meio da pandemia de Covid-19, ressuscitar políticos conservadores rejeitados pelas urnas nas últimas eleições presidenciais.

Se referindo às inúmeras entrevistas com os políticos, Sader afirma que a Globo faz respiração boca a boca, tentando ressuscitar os cadáveres do FHC, do Ciro e da Marina.

O sociólogo não deixou escapar uma comparação pertinente entre a emissora dos Marinho e o presidente Jair Bolsonaro (sem partido). Para ele, o governo tenta esconder cadáveres e a Globo tenta reanimar cadáveres com a respiração boca a boca.

“Enquanto o governo trata de esconder cadáveres, a Globo faz respiração boca a boca, tentando ressuscitar os cadáveres do FHC, do Ciro e da Marina”, escreveu o espirituoso sociólogo Emir Sader. Provavelmente, milhões de brasileiros assinariam junto esse tuíte.

Por outro lado, é bom destacarmos, que a TV Globo e as demais emissoras de televisão que estão recebendo pixuleco do governo federal, censuram as lideranças do principal partido de oposição no Brasil.

Durante do fim de semana, por exemplo, enquanto a Globo entrevistava o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso e Ciro Gomes, as redes sociais perguntavam –e com razão– quando a emissora entrevistaria o ex-presidente Lula e o ex-candidato do PT Fernando Haddad.

As TVs são concessões públicas e a Constituição assegura a pluralidade na sua programação, porém elas boicotam todos aqueles que são desenvolvimentistas e que defendem a soberania nacional. Ideologicamente, só entrevistam aqueles que propugnam pela privatização, retirada de direitos do povo, e estejam alinhados com especulação e o rentismo.

LEIA TAMBÉM
Véio da Havan sugere comprar Olavo de Carvalho por trinta dinheiros

Maia sobre mudança na divulgação de dados da Covid-19: “Brincar com a morte é perverso”

Notícias ao vivo do Coronavírus: os bancos no Brasil e os hospitais dos Estados Unidos lucram com a pandemia

FHC forma uma frente única de centro-direita, diz Requião

O ex-senador Roberto Requião (MDB-PR), presidente da Frente Ampla Pela Soberania, em entrevista ao Blog do Esmael afirmou que a frente única formada pelo ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, o FHC, é um movimento de centro-direita e visa manter os privilégios dos banqueiros e especuladores.

FHC tem coordenado lives [transmissões online] e tem agido como coaching [treinador] de personalidades do mundo político. O tucano tem buscado atrair lideranças como o governador do Maranhão, Flávio Dino (PCdoB), Ciro Gomes (PDT), Marina Silva (Rede), Alessandro Molon (PSB-RJ) e o apresentador Luciano Huck.

Nesse sábado (6), enquanto Requião discutia soberania e liberdade de manifestação no Blog do Esmael, FHC discutia com Dino e o governador do Ceará, Camilo Santana (PT), a democracia ameaçada pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido).

Para Requião, a frente ‘Direitos Já’, de FHC, pretende tirar Bolsonaro, mas manter a política econômica de Paulo Guedes. “Se bobear, com a queda de Bolsonaro, ele [Guedes] continua ministro da Economia”, criticou o emedebista.

Requião fez questão de frisar que o movimento de FHC é de centro-direita que visa manter as mamatas da casa grande, contra os trabalhadores e o povo brasileiro.

“Eles queriam que o povo ficasse em casa, não protestassem contra Bolsonaro, mas os trabalhadores de aplicativo não saem das ruas”, disse. “Esse pessoal está lutando por melhores salários e condições de vida”, disse.

O ex-senador Requião pontuou que a Frente Ampla que ele preside é diferente da de FHC porque, segundo ele, defende a soberania nacional, política externa independente e assertiva, é contra as privatizações e advoga por um plano de desenvolvimento econômico com pleno emprego, produção e crédito barato para ampliar o consumo de todas as camadas sociais.