França: Busto de general De Gaulle foi pichado com a inscrição ‘escravocrata’

Movimentos e coletivos antirracistas na França iniciaram uma campanha contra monumentos e estátuas em homenagens a escravagistas relacionados ao período colonial. A ação mais recentemente foi contra o busto do general De Gaulle, que foi pichado com a inscrição “escravocrata” em Hautmont, no norte da França.

Além dele, a estátua do general Faidherbe (1818-1889), governador do Senegal, foi coberta com tinta vermelha no domingo, no centro de Lille, norte da França. Ativistas também escreveram em vermelho as palavras “colonizador” e “assassino”, no dia seguinte de uma manifestação que pedia às autoridades sua retirada do espaço público.

Recentemente, em um discurso que realizou sobre as violências policiais na França, o presidente francês, Emmanuel Macron, se disse contra a retirada de homenagens a personalidades polêmicas e controvertidas. “Não se trata de apagar o que eles fizeram, mas de recontextualizar”, afirmou.

LEIA TAMBÉM:

Vacina contra o Coronavírus pode ser limitada pela cobiça das farmacêuticas

Flávio Bolsonaro quer sair do ‘bico do corvo’ via TJ-RJ, enquanto Witzel ganha tempo no impeachment

Símbolo de trabalho precarizado na pandemia, entregadores de aplicativos deflagram greve no dia 1º

Para o chefe de Estado, muito além de destruir estátuas ou renomear ruas, “é preciso olhar a História nos olhos” explicando, no local onde as homenagens estão instaladas, quem foram essas personalidades. “A República não apagará nenhum traço ou nome de sua História. A República não derrubará estátuas. Devemos lucidamente avaliar o conjunto de toda nossa História, todas as nossas memórias”, afirmou Macron.

Os atos contra as estátuas e monumentos de personalidades históricas, com vinculações ao período da dominação colonial francesa, ganharam impulso em países europeus após o assassinato pela polícia do negro norte-americano George Floyd, em Minneapolis (EUA).

*Com informações da RFI