Foro de São Paulo lança petição que arrepia até Eduardo Bolsonaro; leia a íntegra

Que o deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), o Zero Três, tem ideia-fixa em relação ao Foro de São Paulo a ponto de o filho do presidente da República assinar a criação de uma CPI no ano passado, a mando de seu guru Olavo de Carvalho, todo mundo já sabe.

Mas a bizarrice de Zero Três não parou por aí. Que o parlamentar anunciou a fundação de um foro ultraconservador para alinhar-se ideologicamente aos Estados Unidos e ao combate ao comunismo [outra ideia-fixa, que faz “Bananinha” tremer de medo] –todo mundo também já sabia.

Dito isso, Dudu Bananinha se emocionou –a ponte de arrepiar os últimos cabelos na cabeça– com a petição do Foro de São Paulo contra o bloqueio ilegal de países e a solidariedade entre os povos durante a pandemia de Covid-19.

O leitor pode assinar a petição clicando aqui. O documento será endereçado ao Secretário-Geral da ONU (Organização das Nações Unidas), António Manuel de Oliveira Guterres.

A questão é humanitária. Nada tem a ver com ideologia ou política. São vidas em perigo, que precisam ser salvas.

Mas, afinal, o que é Foro de São Paulo?

Trata-se de uma organização que reúne partidos políticos e organizações de esquerda, criada em 1990, a partir de um seminário internacional promovido pelo PT.

LEIA TAMBÉM
HBO retira clássico ‘E o Vento Levou’ da plataforma após protestos contra o racismo

Partidos entram com ação no STF contra intervenção de Bolsonaro nas universidades

Brasil tem quase 40 mil mortos por Coronavírus em 10/06 segundo o ministério da Saúde

A seguir, leia a íntegra da petição:

Petição contra o bloqueio ilegal de países e a solidariedade entre os povos

Queridas senhoras,
Estimados senhores,

1. Vivemos em uma situação alarmante de saúde em todo o mundo com a pandemia do vírus SARS-CoV-2 e COVID-19.

2. Hoje, 6 de abril, quase um milhão de pessoas estão infectadas, com milhares de mortes em vários países. Ninguém havia se preparado para uma situação nessa escala! Os sistemas de saúde em geral não estavam preparados e poucos foram os países que continham minimamente o número inicial de infecções e, assim, evitaram o colapso de seu próprio sistema.

3. A reação geral foi ordenar quarentenas e isolados para reduzir a disseminação do vírus, medidas que têm conseqüências catastróficas para as economias, que ainda não estão totalmente definidas.

4. Há também um crescimento de posições xenófobas, culpando uma cultura ou país pelo surgimento e propagação do vírus.

5. Em resposta a essas posições, a atitude do governo chinês tem sido exemplar na cooperação com a Itália e outros países europeus para ajudá-los a conter localmente a epidemia.

6. Em meio a esses problemas, alguns países que já foram vítimas de medidas coercitivas unilaterais solicitaram, sem sucesso, o levantamento de sanções para adquirir suprimentos e equipamentos médicos e medicamentos para seu sistema de saúde.

7. A Nicarágua sofreu essas sanções anos atrás e agora nem sequer tem o direito de obter ajuda humanitária.

8. Na Venezuela, o governo decidiu comprar suprimentos, mas empresas internacionais se recusaram a vendê-lo por medo de sofrer algum tipo de penalidade ou multa.

9. Cuba permanece sujeita ao bloqueio econômico, comercial e financeiro penal imposto pelos Estados Unidos, exacerbado pela atual escalada agressiva do governo daquele país, que constitui o principal obstáculo ao seu desenvolvimento. Em seu exemplo constante de humanidade e solidariedade, Cuba voltou a oferecer cooperação na área da saúde para enfrentar a pandemia e, mediante pedidos recebidos, enviou Brigadas Médicas para mais de uma dúzia de países.

10. À luz do exposto, nós, abaixo-assinados, solicitamos que o bloqueio, as medidas coercitivas unilaterais e as sanções aplicadas contra os países sejam totalmente revogadas.

11. Esperamos que nossas vozes possam representar a de milhões de pessoas que sofrem injustamente em suas vidas diárias a perseguição política contra seus países promovida por alguns governos.