Empresário cotado para o MEC foi denunciado por sonegação fiscal de R$ 22 milhões

Cotado para assumir o Ministério da Educação (MEC), o empresário e secretário de Educação do Paraná, Renato Feder, foi alvo de duas denúncias do Ministério Público sob acusação de sonegação fiscal que totaliza R$ 22 milhões.

Feder foi denunciado tanto pelo MP do Rio como pelo MP de São Paulo porque a empresa da qual é sócio, a Multilaser, não recolheu os valores devidos de ICMS para os cofres públicos desses estados.

LEIA TAMBÉM:
Feder já dá entrevista como novo ministro da Educação, após encontro com Bolsonaro

Miriam Leitão: indicado de Ratinho teve gestão confusa na educação do PR

Veja quem é o virtual ministro da Educação indicado por Ratinho

A Multilaser nega ter praticado sonegação. A empresa diz que não fez o recolhimento dos impostos porque estava negociando com os Fiscos estaduais uma compensação com valores de precatórios que tem a receber dos Estados.

Feder foi recebido nesta terça-feira (23) pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido) no Palácio do Planalto para conversar sobre o MEC.

Com informações do O Globo.