Copa ‘nunca mais’: CBF desiste de candidatura para sediar Copa do Mundo Feminina de 2023

A Confederação Brasileira de Futebol (CBF) anunciou nesta segunda-feira (8) a retirada da candidatura do Brasil para sediar a Copa do Mundo feminina de 2023. Segundo comunicado divulgado pela entidade, a decisão foi tomada devido a “uma combinação de fatores”.

A nota cita a falta de garantias do governo federal, exigidas após avaliação da Fifa, para a realização do torneio em um momento em que o país é atingido pela pandemia do novo coronavírus e com um cenário econômico de crise e retração dos negócios.

A CBF alegou ainda que a grande quantidade de eventos esportivos internacionais realizados no Brasil nos últimos anos “poderia não favorecer a candidatura”. Entre 2007 e 2019, o país foi sede de Jogos Pan-Americanos, Copa das Confederações, Copa do Mundo masculina, Olimpíada e Copa América masculina, entre outros.

A decisão da sede da próxima edição da Copa do Mundo feminina sai em votação marcada para o dia 25 de junho. Neste momento, são três candidaturas: Japão, Colômbia e Austrália/Nova Zelândia.

LEIA TAMBÉM:

Papa Francisco lamenta avanço das mortes por coronavírus na América Latina

Alexandre de Moraes será relator de ação contra a ocultação de dados da Covid-19

Governo Bolsonaro recua e diz que vai divulgar dados da Covid-19 às 18h

Fora do páreo, a CBF manifestou seu apoio à Colômbia. “Desta forma, a Conmebol se apresenta com uma candidatura única, aumentando as chances sul-americanas na votação, além de reforçar a unidade que marca a atual gestão da entidade”, argumenta a entidade.

A edição mais recente da Copa do Mundo feminina foi disputada em 2019, na França, e teve a seleção dos Estados Unidos como vencedora do título.

A seleção brasileira não passou das oitavas de final na competição.