Comuna de Capitol Hill, em Seattle, inspira a criação de novas ‘zonas autônomas’ nos Estados Unidos

Publicado em 28 junho, 2020

A Comuna de Capitol Hill, em Seattle, criada na onda dos protestos contra o assassinato do jovem negro George Floyd, pela polícia em Minneapolis, tem inspirado a criação de novas zonas autônomas nos Estados Unidos, em cidades como Portland, no estado de Oregon, e Asheville, na Carolina do Norte, apesar da crescente repressão policial.

Nos últimos dias, o governo federal apertou o cerco repressivo contra o surgimento de novas “comunas”. Em Washington, no sábado passado (20), foi criada nas proximidades da Casa Branca a BHAZ (Black House Autonomous Zone, ou Zona Autônoma Casa Negra, em português). Mas as tentativas de delinear o território têm sido impedidas pela polícia da capital norte-americana.

Na segunda (22), a liderança do movimento inclusive tentou remover a estátua do presidente americano Andrew Jackson que fica no Parque Lafayette, a uma quadra da Casa Branca. A estátua sofreu alguns danos, mas policiais e agentes do Serviço Secreto, impediram que fosse derrubada e removida.

Depois do confronto, Donald Trump tuitou que “Jamais haverá uma ‘Zona Autônoma’ em Washington, D.C., enquanto eu for presidente. Se tentarem, serão impedidos com séria força!”. A mensagem do presidente, que foi depois apagada por Trump, foi marcada pelo Twitter como uma violação às regras da empresa sobre comportamento abusivo.

LEIA TAMBÉM:

Seattle (EUA): Manifestantes expulsam a polícia e criam a ‘Comuna de Capitol Hill’

A Comuna de Capitol Hill abala ‘sistema nervoso’ de Trump

Movimento ‘Stop Bolsonaro’ instala mil cruzes em frente ao Congresso

A liderança de BHAZ também marcou a fachada da Igreja Episcopal St. John’s – localizada nas proximidades da Casa Branca e onde Trump, em meio ao caos que o país se encontrava enquanto ocorriam protestos em âmbito nacional, posou com uma bíblia – o que causou mais confrontos com a força policial responsável por dos EUA. Depois disso, a prefeita de Washington, Muriel Bowser, que havia batizado o Black Lives Matter Plaza, dedicado a protestos pacíficos, deu ordens para que a polícia da capital proibisse o acesso à área.

“As pessoas não estão entendendo que não vamos desaparecer enquanto não houver justiça em todos os lugares. Sem justiça, sem paz, é preciso cortar fundos para a polícia. Bem-vindos à Zona Autônoma Casa Negra”, declarou pelo Twitter o ativista Johnathon Williams.

Na sexta (26), Trump assinou uma ordem executiva a fim de proteger monumentos federais. Além de indicar uma possível retenção de fundos federais para forças policias estaduais e municipais que falhem em proteger monumentos, memoriais e parques contra atos de vandalismo, a ordem reforça uma lei que criminaliza a destruição de monumentos federais, podendo resultar em até 10 anos de prisão.

*Com Rádio France Internacional