Com a batata assando, Jair Bolsonaro se dirige à Nação

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido), sentindo cheiro de sua batata assando, se dirigiu na noite deste domingo (7) à Nação, mas não explicou absolutamente nada.

Bolsonaro nada disse sobre a censura aos dados da Covid-19 e sua insistência para terminar o distanciamento social a fim de reabrir comércio, estádios de futebol, shoppings centers, bares, discotecas, enfim.

O presidente da República nada falou, também, sobre o fato de o Brasil ter 1.382 novas mortes por Covid-19.

O País agora soma 37 mil óbitos e 685.427 casos confirmados do novo coronavírus, segundo o Ministério da Saúde.

Entretanto, pelas redes sociais, Jair Bolsonaro se dirigiu à Nação nos seguintes termos:

  • Lembro à Nação que, por decisão do STF, as ações de combate à pandemia (fechamento do comércio e quarentena, p.ex.) ficaram sob total responsabilidade dos Governadores e dos Prefeitos.
  • O Presidente da República alocou centenas de bilhões de reais não só para combater o vírus, bem como para evitar o desemprego.
  • Cada mês pago do auxílio emergencial de R$ 600,00 corresponde a despesa na ordem de R$ 40 bilhões para a União.
  • Ao lado disso forças nada ocultas, apoiadas por parte da mídia, açoitam o Presidente das mais variadas formas para deslegitimá-lo ou atrapalhar a governança.
  • Com fé em Deus e no povo seguirei meu destino de melhor servir ao meu país.

LEIA TAMBÉM

Brasil se une à Coreia do Norte e à Venezuela ao omitir dados da Covid-19

Notícias ao vivo da Covid-19: Jair Bolsonaro provoca apagão no balanço global da Universidade Johns Hopkins

Governo Bolsonaro quer esconder número de mortos por Covid-19, dizem secretários de Saúde

Homens carecas são mais vulneráveis à Covid-19, diz jornal britânico

Wizard não aguenta o tranco e pede para ‘sair’ do governo Bolsonaro

O empresário Carlos Wizard não aguentou o tranco e pediu para ‘deixar’ o governo de Jair Bolsonaro (sem partido), após o “conselheiro” comprar briga com o Conselho Nacional de Secretários de Saúde (Conass).

Em nota, Wizard informou neste domingo (7) que não vai mais colaborar com o Ministério da Saúde na função de “conselheiro” do atual ministro, Eduardo Pazuello.

Nas últimas semanas, Wizard vinha participando de reuniões na pasta sobre a pandemia do coronavírus. Ele não chegou a ser nomeado no “Diário Oficial da União” e, por isso, também não recebeu dinheiro público.

Na prática, Wizard caiu antes mesmo de entrar no governo.

Na nota, o empresário afirma que chegou a ser convidado para assumir a Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos do Ministério da Saúde. Mas, segundo o texto, ele recusou.

“Agradeço ao ministro Eduardo Pazuello pela confiança, porém decidi não aceitar para continuar me dedicando de forma solidária e independente aos trabalhos sociais que iniciei em 2018 em Roraima”, diz o comunicado (veja íntegra abaixo).

Nesta sexta (5), Wizard afirmou que o ministério iria revisar os dados de contaminados e mortos pelo novo coronavírus, com base em uma suspeita de que os estados estariam “inflando” os números. A declaração gerou reações negativas fortes ao longo de todo o fim de semana.

Desde a saída do ministro Nelson Teich, em maio, Wizard vinha sendo cotado para assumir o cargo. Formado em estatística e ciência da computação, o empresário não tem qualquer formação em medicina ou em gestão pública.

Como empresário, Carlos Wizard é dono de empresas de venda de produtos naturais e de sistemas de pagamento virtual.

Declaração polêmica
A declaração polêmica de Wizard, sobre a “recontagem” dos mortos por Covid-19, foi publicada pela coluna da jornalista Bela Megale, de “O Globo”. O Ministério da Saúde ainda não confirmou essa decisão.

De acordo com o blog, Wizard disse que “tinha muita gente morrendo por outras causas e os gestores públicos, puramente por interesse de ter um orçamento maior nos seus municípios, nos seus estados, colocavam todo mundo como covid.”

O “anúncio” do então colaborador do governo gerou reação por parte do Conselho Nacional de Secretários de Saúde (Conass), que reúne os gestores dos 26 estados e do Distrito Federal. O órgão divulgou no sábado (6) uma nota em que repudia as afirmações de Wizard.

Na nota, os secretários estaduais classificam a acusação como uma “tentativa autoritária, insensível, desumana e anti-ética de dar invisibilidade aos mortos pela Covid-19”.

Ainda de acordo com o Conass, ao levantar suspeita sobre os dados, Carlos Wizard revelou “profunda ignorância sobre o tema” e “insulta a memória de todas aquelas vítimas indefesas desta terrível pandemia e suas famílias”.

Na nota divulgada, o empresário pede desculpas pela declaração.

Íntegra
Leia a íntegra da nota publicada pelo empresário Carlos Wizard:

Informo que hoje (7/junho) deixo de atuar como Conselheiro do Ministério da Saúde, na condição pro bono. Além disso, recebi o convite para assumir a Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos da pasta. Agradeço ao ministro Eduardo Pazuello pela confiança, porém decidi não aceitar para continuar me dedicando de forma solidária e independente aos trabalhos sociais que iniciei em 2018 em Roraima.

Peço desculpas por qualquer ato ou declaração de minha autoria que tenha sido interpretada como desrespeito aos familiares das vítimas da Covid-19 ou profissionais de saúde que assumiram a nobre missão de salvar vidas.

Carlos Wizard Martins

Com informações do G1