CNN Brasil sai do armário e se assume bolsonarista

Nas últimas horas, a CNN Brasil resolveu sair do armário para assumir uma clara posição pró-Jair Bolsonaro.

A máxima na emissora a partir de agora é ‘se hay gobierno, soy a favor’.

A CNN revelou-se extremamente governista ao massacrar a deputada Joice Hasselmann (PSL-SP), após deixar a liderança do partido na Câmara, acerca de supostos fake news espalhados pela parlamentar.

Além disso, o canal de notícias tem se antecipado até mesmo a Bolsonaro.

Nas últimas horas, a CNN Brasil resolveu sair do armário para assumir uma clara posição pró-Jair Bolsonaro.

A máxima na emissora a partir de agora é ‘se hay gobierno, soy a favor’.

A CNN revelou-se extremamente governista ao massacrar a deputada Joice Hasselmann (PSL-SP), após deixar a liderança do partido na Câmara, acerca de supostos fake news espalhados pela parlamentar.

Além disso, o canal de notícias tem se antecipado até mesmo a Bolsonaro.

Algo como: ‘Senhor presidente, bom dia. Se o senhor espirrar, saúde!’

O canal de televisão a cabo tem ligações próximas com a TV Record, de Edir Macedo.

No final da tarde desta sexta (5), em Palácio do Planalto, Bolsonaro recebeu pastores pentecostais de diversas igrejas.

Entre uma oração e outra, os religiosos, açulados pelo presidente da República, xingaram e criminalizaram os movimentos que sairão às ruas amanhã em defesa da democracia e contra o fascismo.

Quando o nome de Jair Messias Bolsonaro é pronunciado na CNN parte dos repórteres da emissora entra no cio, em êxtase máximo.

A CNN Brasil pertence à Novus Mídia, empresa fundada pelo co-fundador da MRV Engenharia, Rubens Menin e pelo ex-diretor de jornalismo da RecordTV, Douglas Tavolaro –sobrinho de Edir Macedo.

Em tempo: a emissora fica mais honesta ao deixar cair a máscara da falsa imparcialidade no jornalismo, por isso a CNN Brasil está de parabéns por sair do armário e assumir um lado, o lado dos ricos, dos banqueiros, da cloroquina e da milícia.

LEIA TAMBÉM

Witzel libera geral no Rio: futebol, bares, restaurantes e shoppings

Plantão da Globo: Brasil tem 35.206 mortes e 645.771 casos de coronavírus

Parlamentares de 10 partidos assinam pedido de CPI contra Moro

STF condena Paulinho da Força a 10 anos de prisão por esquema no BNDES

O deputado federal Paulinho da Força (SD-SP) foi condenado a uma pena de 10 anos e 2 meses de prisão por crime contra o Sistema Financeiro Nacional, além de lavagem de dinheiro e associação criminosa, nesta sexta-feira (5), pela 1ª Turma do Supremo Tribunal Federal (STF).

De acordo com o blog do jornalista Fausto Macedo, do Estadão, Paulinho da Força foi acusado de ligação em um esquema de desvios de recursos no Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES).

O parlamentar, que integra chamado Centrão – bloco político que vem sendo cooptado pelo governo Jair Bolsonaro para barrar um eventual processo de impeachment – foi denunciado pela Procuradoria Geral da República (PGR), em 2012, sob a acusação de atuar para beneficiar empresários por meio do BNDES. Paulinho da Força também foi denunciado na Operação Lava Jato pelos crimes de lavagem de dinheiro e corrupção passiva.

Em nota, a defesa do parlamentar disse que “respeita a decisão proferida pela 1ª Turma do Supremo Tribunal Federal que condenou o Deputado PAULO PEREIRA DA SILVA, todavia, por discordar do entendimento e, em face dos dois votos favoráveis à absolvição, proferidos pelo Relator e Revisor do processo, irá recorrer da decisão ao Pleno do STF.”

De acordo com o artigo 33 do Código Penal, o condenado a pena superior a 8 anos deverá começar a cumpri-la em regime fechado. O diabo é que o STF já é a terceira instância, logo, a corte fica mais próxima ao trânsito em julgado da sentença judicial.

Paulinho é o segundo membro do Centrão a ter complicações com o judiciário esta semana. A Procuradoria-Geral da República também denunciou ontem (5) ao STF o deputado federal Arthur Lira (PP-AL), um dos principais líderes do chamado “Centrão”, bloco parlamentar informal, com cerca de 200 deputados, do qual Jair Bolsonaro se aproximou. O grupo passou a integrar a base do governo na Câmara.

Sobre a acusação
O suposto cometimento dos delitos imputados ao parlamentar foi descoberto durante investigação de crimes de tráfico internacional de mulheres, favorecimento da prostituição e tráfico interno de pessoas em uma casa de prostituição de luxo em São Paulo, quando a polícia paulista descobriu o envolvimento dos proprietários do local com delitos contra o sistema financeiro. Na ocasião, surgiram indícios da participação de Paulinho e, em razão do foro por prerrogativa de função, a parte do processo referente a ele foi remetida ao Supremo.

Segundo a denúncia, os desvios de recurso teriam ocorrido por meio de contratos de financiamento celebrados com a prefeitura de Praia Grande (SP) e as Lojas Marisa, enquanto a ocultação da origem ilícita dos valores passaria por depósitos a duas organizações não-governamentais (ONGs) – Meu Guri e Instituto Brasileiro de Desenvolvimento e Pesquisa Política Social e Cultural do Trabalhador – vinculadas ao deputado. De acordo com o Mistério Público, ele receberia parte do dinheiro em troca de favores políticos para o bom andamento das atividades do grupo.

O MPF aponta que as investigações identificaram a concessão de três financiamentos do BNDES: de R$ 112 milhões e de R$ 165 milhões para as Lojas Marisa e de R$ 124 milhões para a Prefeitura de Praia Grande. Segundo a denúncia, a quadrilha, supostamente liderada pelo deputado, pretendia desviar parte dos valores dos contratos de financiamento (entre 2% a 4% das primeiras liberações feitas pelo BNDES).