Bolsonaro sob cerco neste domingo

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) ficará sob cerco daqui a pouco, a partir das 14h, com concentração em frente ao Masp, na Avenida Paulista, em São Paulo. Organizações de movimentos populares, torcidas organizadas, juventude, sindicalistas, enfim, o povo, realizarão mais uma manifestação pelo ‘Fora Bolsonaro, impeachment já!’

O movimento deste domingo (14) pode marcar o início do engordamento dos protestos contra o presidente Bolsonaro e seu ministro da Economia, Paulo Guedes, que aprofundam a crise econômica e empobrecem os brasileiros durante a pandemia de coronavírus.

Os protestos contra Bolsonaro e Guedes ocorrem hoje no contexto do desemprego em alta, batendo mais da metade população economicamente ativa em idade de trabalhar (51,5%). Esse levantamento do Pesquisa do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) faz do Brasil a nação com o maior número de desempregos do mundo.

Enquanto dá calote nos trabalhadores, que começariam a receber R$ 1.045 do FGTS emergencial, o governo federal não mede esforços para transferir dinheiro público para bancos e especuladores a título de pagamento de juros e amortizações da dívida interna –em detrimento da saúde de todos e do direito da população ter o mínimo para a sua subsistência.

LEIA TAMBÉM

Neste sábado (14), em Brasília, uma carreata deu o pontapé das manifestações do ‘Fora Bolsonaro, impeachment já!’ em todo o País.

O movimento deste domingo não é para apenas tirar Bolsonaro e o vice Hamilton Mourão, mas para estabelecer um novo projeto de nação com produção, pleno emprego, salários, consumo, distribuição de renda e reconstrução do Estado do Bem-Estar Social com saúde, educação e trabalhado universais e de qualidade.

Portanto, caro leitor, a cidadania brasileira não pode tomar esses protestos pela saída de Bolsonaro e Moro como uma simples “rejeição pessoal”. Pelo contrário. Não são os modos e costumes do presidente e do vice que estão em julgamento, mas tudo que eles representaram e representam com a ajuda da velha mídia e da força-tarefa Lava Jato —de quem falamos antes neste Blog do Esmael.