Bolsonaro diz que manifestantes pró-democracia são ‘marginais, terroristas, desocupados e maconheiros’

Em discurso nesta sexta-feira (5), o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) disse que os manifestantes dos atos pró-democracia são “marginais, terroristas, desocupados e maconheiros”.

“Estamos assistindo agora grupos de marginais terroristas querendo se movimentar para quebrar o Brasil. Esses marginais fizeram uma ação em São Paulo. Esses terroristas voltaram logo depois para alguma ação em Curitiba. Estão nos ameaçando”, afirmou o presidente durante a inauguração de um hospital de campanha para infectados com o novo coronavírus em Águas Lindas de Goiás (GO).

“Tenho certeza, Caiado [em referência ao governador de Goiás, Ronaldo Caiado (DEM)], que se vierem aqui você vai tratar com a dureza das leis que eles merecem. Geralmente são marginais, terroristas, maconheiros, desocupados”, completou Bolsonaro.

LEIA TAMBÉM:
O Coronavírus fez um vídeo para agradecer o apoio de Bolsonaro e dos bolsonaristas; assista

‘Uma morte, uma loja virtual’

Coronavírus: Brasil tem 1.473 novas mortes e bate novo recorde diário em 04/06

Os atos pró-democracia, marcados para acontecer no próximo domingo (7) em todo o país, são uma resposta a manifestações de apoiadores do governo, que fazem reivindicações ilegais e antidemocráticas, como o fechamento do Congresso e do Supremo Tribunal Federal (STF).

Com informações do G1.

Bolsonaro leva tombo em inauguração de hospital de campanha em Goiás

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) levou um tombo nesta sexta-feira (5) em Águas Lindas de Goiás (GO). Ele foi ao município goiano para participar da inauguração de um hospital de campanha destinado a atender pacientes infectados pelo novo coronavírus.

Ao se dirigir ao local da cerimônia, Bolsonaro tropeçou em uma mangueira foi ao chão.

O presidente, que não usava máscara de proteção, chegou de helicóptero acompanhado dos ministros general Eduardo Pazuello (Saúde), general Braga Netto (Casa Civil) e Marcos Pontes (Ciência e Tecnologia). A inauguração também é acompanhada pelo governador de Goiás, Ronaldo Caiado (DEM), e pelo secretário estadual de Saúde, Ismael Alexandrino.

O hospital de campanha, o primeiro construído pelo governo federal e repassado para uma administração estadual, custou R$ 10 milhões e tem capacidade para 200 leitos, mas começará a funcionar a partir desta sexta-feira com 60 vagas, sendo 10 de UTI.

Assista ao vídeo: