Antonio Paulo Vogel assume interinamente o Ministério da Educação

O Secretário Executivo do MEC, Antonio Paulo Vogel, assumiu interinamente o cargo de ministro da Educação. Ele substituiu Abraham Weintraub, que foi exonerado nesta quinta-feira (18) pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido).

Antonio Paulo Vogel de Medeiros é servidor público federal desde 1998. Ele atua nas áreas de finanças e gestão, tendo assumido funções de liderança desde 2001, em governos federal, estadual e municipal, bem como no setor privado.

O novo ministro interino tem formação acadêmica em Economia e Direito, com certificação profissional em Planejamento Financeiro.

Vogel vem da Casa Civil e foi secretário de Fernando Haddad (PT), rival de Bolsonaro nas eleições de 2018, na prefeitura de São Paulo. Na gestão de Haddad, Vogel comandava a pasta de Finanças e Desenvolvimento Econômico.

Depois de deixar a gestão de Haddad, em dezembro de 2014, Vogel foi nomeado secretário de Gestão Administrativa e Desburocratização do Distrito Federal pelo ex-governador Rodrigo Rollemberg, do PSB, outro partido de oposição.

Em julho de 2015, após apenas sete meses no cargo, o braço-direito de Weintraub foi nomeado assessor da secretaria-executiva do Ministério da Fazenda do governo Dilma Rousseff, então ocupado por Joaquim Levy, hoje presidente do BNDES.

LEIA TAMBÉM

Abraham Weintraub foi demitido do Ministério da Educação

Em vídeo publicado nas redes sociais nesta quinta-feira (18), o economista Abraham Weintraub anunciou sua saída do cargo de ministro da Educação, que ocupava desde abril de 2019. Na gravação, ele aparece ao lado do presidente Jair Bolsonaro.

Os rumores da saída do ministro se intensificaram ao longo dessa semana, especialmente após a participação dele em manifestações de apoiadores do governo no domingo. Weintraub é investigado em inquérito sobre fake news, que tramita no Supremo Tribunal Federal (STF), e também responde uma apuração na Corte por racismo por ter publicado um comentário depreciativo sobre a China.

“Sim, dessa vez é verdade. Eu tô saindo do MEC [Ministério da Educação], vou começar a transição agora e, nos próximos dias, passo o bastão para o ministro que vai ficar no meu lugar, interino ou defnitivo”, afirmou Weintraub. Ele anunciou, na sequência, que assumirá um cargo de diretor no Banco Mundial, que tem sede em Washington, nos Estados Unidos.

“Não quero discutir os motivos da minha saída, não cabe. O importante é dizer que recebi o convite para ser diretor de um banco, eu já fui diretor de um banco no passado, volto ao mesmo cargo, porém, no Banco Mundial. O presidente já referendou. Com isso, eu, a minha esposa, os nossos filhos, e até a nossa cachorrinha, Capitu, a gente vai ter a segurança que hoje me está deixando preocupado”, acrescentou.

O agora ex-ministro disse que seguirá apoiando o presidente da República e que compartilha dos mesmos valores, citando família, liberdade, franqueza e patriotismo. Após o anúncio de Weintraub, Jair Bolsonaro declarou que o “momento é difícil”, mas que mantém os mesmos compromissos assumidos durante a campanha.

“É um momento difícil. Todos os meus compromissos de campanha continuam em pé, e busco implementá-los da melhor maneira possível. Todos que estão nos ouvindo agora são maiores de idade e sabem o que o Brasil está passando, e o momento é de confiança. Jamais deixaremos de lutar por liberdade”, afirmou.