Anonymous Brasil promete “bomba” contra Jair Bolsonaro. “Nos aguarde”, pede grupo

O grupo “Anonymous Brazil” começou a semana agitando as redes sociais ao divulgar informações pessoais do presidente Jair Bolsonaro, de seus filhos e ministros.

“Ativem as notificações e fique por dentro das próximas exposições”, avisa o grupo pelo Twitter, cujo lema é “Nós não esquecemos, Nós não perdoamos.”

O coletivo Anonymous é associado à ideia do hacktivismo, colaborativo e internacional, realizando protestos e outras ações, muitas vezes com o objetivo de promover a liberdade na Internet e a liberdade de expressão.

Numa das últimas postagens, o Anonymous criticou o presidente Jair Bolsonaro por lamentar o “destino” dos 31 mil mortos por Covid-19 no Brasil.

“Ele chama de “Destino” o seu DESCASO com a vida do povo brasileiro.”

Para o grupo, que promete uma “bomba” sobre Bolsonaro nos próximos dias, deixa um recado ao presidente da República:

“Nós somos Anonymous, nós somos Legião, nós não perdoamos, nós não esquecemos. Nos aguarde.”

Crendiospai! É de arrepiar até os cabelos do ministro Alexandre de Moraes…

LEIA TAMBÉM

Bolsonaro insinua que Witzel será preso

Bolsonaro fez 2 milhões de anúncios em sites de fake news, diz CPMI no Congresso

Deputados petistas querem impedir publicidade em sites de fake news sobre a Covid-19 ou de conteúdo de ódio e ataque à democracia

Capacidade da indústria caiu 49% em abril, diz CNI, e produção tem queda histórica no País

A Confederação Nacional da Indústria (CNI) afirma que o nível de utilização da capacidade de produção da indústria brasileira caiu para 49% em abril.

O levantamento da CNI fica mais explosivo ainda quando combinado com dados divulgados nesta quarta-feira (3) pelo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), que aponta desabamento da produção industrial em 18,8% no mês de abril.

O IBGE e a CNI colocam a culpa da queda histórica da produção industrial na pandemia de coronavírus, no entanto, o leitor do Blog do Esmael vem discutindo há de um ano o modelo equivocado da política econômica do presidente Jair Bolsonaro e do ministro da Economia, Paulo Guedes. Portanto, a crise neoliberal de agora era preexistente à Covid-19.

Na comparação com abril do ano passado, a queda foi ainda maior, de 27,2%, o sexto resultado negativo seguido nessa comparação e também o pior resultado da série da pesquisa.

No ano, de janeiro a abril, o setor encolheu 8,2%, e nos últimos 12 meses, passou a acumular retração de 2,9%.

Com o tombo de abril, o patamar da produção industrial no país ficou 38,3% abaixo de seu pico histórico, registrado em maio de 2011.

O Brasil reabriu 218 shoppings, mas não tem quem compre por falta de dinheiro

O discurso do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) a favor da reabertura do comércio para reativar a economia, em tempos de pandemia, é tão “verdadeiro” quanto uma nota de três reais. Ou seja, não passa de mais um engodo.

Segundo a Associação Brasileira de Shopping Centers (Abrasce), 218 shopping centers reabriram em 90 cidades de 14 estados — atendendo à recomendação de Bolsonaro e seu ministro da Economia, Paulo Guedes.

Pois bem, um “orelha seca” do Blog do Esmael foi na tarde desta segunda-feira (1º) tomar café no Shopping Pátio Batel, em Curitiba. O informante disse que não havia uma viva alma comprando nas lojas, que estavam às moscas.

Primeiro cabe uma explicação: nada de errado com o centro comercial e seus lojistas.

O que está errado, caro leitor, é a falta de dinheiro no mercado.

De nada adianta abrir as lojas e os shoppings se as pessoas estão perdendo emprego, o poder de compra, o que compromete a base de troca –prestação e contraprestação– do sistema capitalista.

Os 218 shoppings reabertos representam uma fatia de 38% do total de 577 estabelecimentos desse tipo no Brasil, informa a Abrasce.

Na capital paranaense, até semana passada, acontecia algo inusitado. Os shoppings relutavam voltar à normalidade porque temiam o está ocorrendo: falta de clientes e de dinheiro circulando na economia.

Há uma forte depressão econômica no País e, Curitiba, embora seja uma cidade rica, não é uma ilha isolada da insanidade neoliberal de Guedes e Bolsonaro.