Alcolumbre devolve MP que acaba com eleição para reitor nas universidades federais

O presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), informou nesta sexta-feira (12) que devolveu ao executivo a Medida Provisória 979, editada na quarta (10), que põe fim à eleição direita para reitor nas universidades federais durante a pandemia de coronavírus.

“Acabo de assinar o expediente de devolução da MP 979, que trata da designação de reitores, por violação aos princípios constitucionais da autonomia e da gestão democrática das universidades”, afirmou Alcolumbre.

O presidente do Senado, que é também presidente do Congresso Nacional, disse que não pode deixar tramitar proposições que violem a Constituição Federal.

“O Parlamento permanece vigilante na defesa das instituições e no avanço da ciência”, disse.

LEIA TAMBÉM
Entidades ligadas à educação divulgam nota de repúdio contra Bolsonaro

Bolsonaro acaba com eleição direta para reitores de universidades federais

Margarida Salomão contesta MP de Bolsonaro que interfere na eleição de reitores das universidades federais

[AO VIVO]: Fim da eleição para reitor nas universidades federais. Que fazer?

Jornal Le Figaro aponta bravatas e manipulações de Jair Bolsonaro

A edição online do conservador Le Figaro traz um perfil inclemente de Jair Bolsonaro nesta sexta-feira (12). “Diante da pandemia, o presidente ataca governadores e prefeitos que aplicam a quarentena e não para de ameaçar opositores”, diz no início do texto, assinado pelo jornalista Jean-Marc Gonin.

É mais um artigo para tentar explicar aos franceses quem é essa figura que governa um dos países que já esteve na dianteira dos emergentes, mas que agora detém números galopantes no ranking em relação à “hecatombe” da Covid-19. São mais de mil mortos de “gripezinha” por dia, ironiza o artigo, referindo-se ao termo usado pelo brasileiro.

“Esses números desastrosos não desanimam Jair Bolsonaro, que incitou a população a enfrentar a doença como ‘homem, pô, não como moleque’”, diz Le Figaro. A seguir, a matéria cita os tropeços do governo central, ao impor a cloroquina como panaceia, contrariando o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, que aliás foi substituído diante da desobediência. Seu sucessor, Nelson Teich, não durou um mês. A pasta agora está a cargo de um ex-general sem qualquer qualificação para o posto, explica o jornal.

O texto segue enumerando ideias de Trump adotadas por Bolsonaro, que desaprova a máscara, a quarentena e vai de encontro a multidões sem proteção. Ele faz pugilismo verbal com governadores que ousam desacatá-lo, acusando-os de estarem destruindo o Brasil com a quarentena.

Le Figaro lembra que a economia brasileira está à beira do colapso. Após a violenta recessão de 2015-2016, seguiu-se um pálido crescimento até 2019, de cerca de 1% ao ano. Esperava-se que a taxa de crescimento alcançasse 2% em 2020. Mas a pandemia fez naufragar essa esperança, “afundando muitos brasileiros no medo do amanhã”.

Fora Bolsonaro!
A população brasileira desesperada e em cólera começa a ir às ruas contra o presidente, batendo de frente com os bolsonaristas que marcham em prol do fim da quarentena. Os que pedem a saída de Bolsonaro têm, em São Paulo, apoio de torcidas organizadas, como a do Corinthians, conhecida por seu afinco e fervor.

A luta contra a corrupção é a grande derrota de Bolsonaro, estima Le Figaro. Ele bateu o PT nas eleições, adotou o juiz “incorruptível” Sérgio Moro como ministro da Justiça, que depois pediu demissão do cargo, humilhado pelas intervenções superiores. O jornal fala ainda sobre o embaraçoso vídeo em que Bolsonaro, “com sua vulgaridade habitual”, insulta o magistrado.

O Júlio Cesar carioca, como é chamado pelo diário francês, vê os casos contra si aumentarem na Justiça, como a questão das fakenews. Mais de 30 pedidos de impeachment já foram recebidos pelo congresso. Mas Bolsonaro não se deixa intimidar, lembrando que o governo tem o povo e os militares a seu lado.

Por RFI